sexta-feira, 13 de agosto de 2010

dentro do ônibus

aventura demais pro meu gosto
Me lembro de outro dia. Estava eu sentado no ônibus pensando. O que, aliás, é uma coisa que eu faço de mais. E então me veio um pensamento legal. Eu estava sob a influência do filme Crepúsculo e do Lua nova. Aí eu imaginei...
Primeiro alguns vampiros entrando no ônibus em que eu estava. Depois um deles vindo na minha direção para falar alguma coisa comigo. E então um imenso lobisomen (AAAAHHHHH! JACOB! LINDO! ME DÁ UM AUTÓGRAFO! ─ Brincadeira, isto veio agora.) e bate com toda a força do meu lado do busão. E os vapiros prestam atenção nele e em outros que vem atrás dele. E logo começa uma briga. Daí um dos lobisomens me leva direto para a Universidade onde, lógico, há mais vampiros me esperando, mordendo e matando quem passa na frente. E então EU, me apresento para lutar contra eles. Salto da minha audaciosa montaria (um lobisomem) e vou a luta. Um deles me derruba e o resto vem pra cima também... Até que... depois de alguns minutos de alguns vampiros se degladiando para ver quem vai chupar meu sangue ... chegam Bella e os vampiros do bem para salvar o dia....
Meio infantil, mas pensamento é pensamento.


Outro dia então, o que vi foi bem diferente. Desta vez ainda não havia a influência de Crepúsculo ou da saga. Um cara do mal, muito, muito mau entra no mesmo ônibus que eu. Aponta uma 12 para minha cabeça e diz: "Eu ouvi um amém?" E todos no ônibus dizem: " Amém". E uma doida grita "Aleluia senhor, louvado seja Deus". O mal encarado me olha de cima a baixo, e quando percebe que eu não estou molhado de mijo ele me leva pra fora do ônibus para um carro que etava segindo desde ... desde onde não sei, mas que tava seguindo ah tava... me venda. Acordo eu nas proximidades de não si aonde próximo ao corpo de não sei quem, me preparando para ser despachado para lugar nenhum. Porém, enquanto ele afia algo que deve estar muto afiado, alguém entra quase sem fazer barulho e a briga começa. Só dá para ver que é muito gostosa e que está mais vestida que as capas da Playboy ... convenhamos, ser salvo por uma mulher gostosa é muita criatividade ... daí ela derruba o mal encarado e vem me desamarrar. Logo depois vem mais mulheres como ela para limpar o local. E então elas me salvam e me levam para o paraíso.
Chegando no paraíso descubro que vou servir de almoço para alguma divindade que gosta de carne de homem ao ponto. Tento sair de finho, mas percebo um pouco tarde demais que não há saída. Tenho ou que virar lanche ou que virar o jantar. O chão se mexe. Uma entrada, ou saída, se abre permitindo que possa fugir para bem longe. Lá de dentro uma mulher bem gostosa me espera, tento voltar, mas ela pede para seguí-la, e eu sigo-a. Ela conta tudo o que eu preciso saber sobre a comunidade e me mostra algumas coisas que eu posso fazer para fugir. Não dá mais tempo. Algumas gostosas cercam a saída por onde eu iria sair. AH! não era nada. Não faz mal. Agora posso ir. Vou. Atravesso a grade falsa de não sei o que e saio para uma cacheira muito ... muito não é bem a palavra, infinitamente deve ser algo mais perto ... infinitamente longa verticalmente. Não há tempo pra pensar, eu me jogo lá do alto e quando olho para os lados eu estou voando... Na verdade era uma cerca de proteção uns dois ou três metros abaixo, para evitar posteriores suicídios. Aquele monte de maluca junta deve ter muita coisa para se enloquecer sozinha. ... Corro em direção a parede. Lá outra porta falsa em imagem de parede fixa e firme. Corro sem parar. Paro na primeira fonte... uns dois metros adiante, porque, além de não ser de ferro ou o super-man ou o flash, eu não tenho mais idade de ficar correndo feito doido... Ouço tiros do lado de fora e volto a correr e daí então... só quando voltar a imaginar de novo.


Paro por aqui...
Gostou? de onde tem este vem bem mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: