quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Diário ─ capítulo 05

Bom... hoje não foi um dia muito legal. Diário, amigo... Hoje continuei nem triste e nem feliz. Preciso mudar. Quero mudar. Eu, de manhã e ainda à tarde, não tinha nada para escrever. Não havia nada que eu tivesse em mente. Hoje é quinta feira. Amanhã é sexta e depois sábado. O que isto tem de importante? Minha vida pára as cinco da tarde de sexta feira e retorna ao meio dia da segunda. Queria ter algo melhor para lhe falar, mas não havia nenhuma outra coisa. Poderia falar das minhas intuições, mas acho muito desimportante. Poderia falar do meu progresso com minha mudança de personalidade, também acho desinteressante, e o que é que eu vou fazer quanto a isso? Dia 01, hoje eu descobri algumas coisas da minha personalidade que eu não gosto. Dia 02, mudei o objetio 04-01658 para o 05-66572 com sucesso. Mas não farei isso, até por que mesmo que consiga mudar algo em mim, haverá algo que persistirá. Já não sinto medo, dor, raiva, ou qualquer sentimento bom, ou mesmo esperança.
Hoje assisti um filme que falava sobre isso: esperança. Não sei o nome do filme que o professor passou, mas sei que haviam quatro ─correção: três─ amigos, com reputação e vida social, filhos de pais mineradores de carvão e prováveis mineradores de carvão. Um deles se rebelou contra seu destino e decidiu fazer um foguete. Com este foguete ganhou um quarto amigo, que com os outros três, ajudou-o a fazer uns foguetes. Todos na cidade ajudaram, até a professora. Finalmente construíram um foguete que deu certo, foram para a feira de ciências da cidade e ganharam. Foram para uma outra feira de ciências, ou melhor, o garoto rebeladofoi sozinho, e ganharam também. E com este último prêmio ganharam bolsas de estudos em universidades. Mas o mais intrigante é que o pai do garoto desde o início vetava seus sonhos de construir tal foguete e o frustrava dizendo que ele seria minerador de carvão. Nesta parte eu senti raiva por que este me lembrou meu pai. Entretanto isto não é importante agora. O pai do garoto o ajudou na última com um réplica identica do foguete, por que havia sido roubado antes da premiação que deu as bolsas de estudos. E este garoto volta com o sonho nas mãos e um futuro diferente pela frente. Ou seja, força de vontade, coragem em seguir em frente, esperança de um futuro melhor e a felicidade como recompensação pelos seus atos e pela sua persistência em seguir adiante com seu projeto. E mesmo com tudo isso ele trabalhou de minerador para ajudar ao pai depois de um acidente, muito antes da primeira feira de ciências e aprendeu matemática.
O que eu quiz dizer com isso? Na verdade não sei, eu apenas lembrei do filme por que o assisti hoje pela tarde na sala de aula de Empreendedores em informática. Aí eu pensei: se ele pode fazer algo por si mesmo e ter uma esperança, o que faço que eu não construí nenhum projeto de vida? Faz muito tempo que eu não tenho nada em vista. A última coisa que eu tive em vista foi ser militar. E nem para isso eu consegui seguir adiante. Meus sonhos parecem esvair-se com a força da brisa da tarde. Ah! que lindo. Eu não sabia que sou tão poético.
E mesmo com toda essa poesia eu não consigo seguir outro sonho adiante: escrever um best seller. Queria escrever um livro que fosse lido por todo o mundo, reescrito em todas as línguas e dialetos conhecidos e escritos pelo homem. E gostaria de aprender programação de linguagens em geral e outras línguas. O último para sair passeando pelo mundo como se fosse um andarilho perdido. Tipo, daqui eu vou para o méxico a partir do Uruguai, lá aprendo espanhol e inglês. Vou para Os EUA e lá aprendo francês. ´Vou para o Canadá e aprendo alemão. Alemanha e aprendo italiano. Italia e aprendo chinês e daí por diante.
Sonho é sonho e os meus não são tão belos e simples quanto o de outras pessoas que querem simplesmente achar o amor da vida e com ela(e) se casar e viver feliz para sempre. Eu quero mais. Eu quero ter uma vida feliz com esta pessoa. E com ela(e), sei lá o que o destino me reserva, conhecer o mundo. E lutar pelo que me é interessante lutar. Algum objetivo que se torne meu.

Quando escrevo em você me sinto usar o coração. Você tem este poder? Não consigo deixar de usar o coração mesmo quando penso em coisas racionais como X²+8x=65. É ecrire o meu modo de ser feliz? To write? Escrever?
Ecrire = to write = escrever. J'adore français. I hate english. There's no language more irritaten. Me gusta poco hablar spañol. Look this: permítame entrarlo, la casa también és mía. Multilanguage time is over now. Gosto um pouco de falar português, foi a única língua na qual aprendi a pensar em qualquer coisa.

Gosto de falar cotigo realmente. Até em momentos inentendíveis e de neolinguismos você me entende. Até amanhã, sem falta.

Dia 26/08/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: