quinta-feira, 30 de setembro de 2010

UFBa ─ Assaltantes se fodam ou morram se fodendo




Havia um grande campo. Cheio de construções onde as pessoas iam estudar. Até que um dia vieram pessoas que não tinha nada a ver nem com educação e nem com estudos. Estes eram pessoas que trabalhavam com um tipo diferente de trabalho.
E então quem ia para lá estudar saia sem algum dos seus pertences. E vieram pessoas de bom coração e expulsaram estas pessoas más com tudo o que carregavam e recuperaram tudo o que levaram. E estes bem feitores foram aclamados pelo público. Mas agora exigia algo das pessoas para que elas ficassem seguras por mais tempo destes e de outros malfeitores que cicundavam as proximidades.

Este lugar se chama UFBa. E os bem feitores se chamam seguranças. Estes seguranças que estão lá não fazem nada pelo povo por que seu trabalho é apenas zelar pelo patrimônio federal. Porém, logo logo virá um benfeitor que acabará com a vida de um dos malfeitores. E este benfeitor terá que pagar, em lugar de ser pago, com a sua liberdade. Não sei que será este benfeitor, mas sei perfeitamente que virão pessoas e grupos de pessoas para acabar com este tipo de gente. E digo a todos que pensam que vagabundo assaltante também é pai de família que há muito filho de família rica pela UFBa. E se um deles for pego desprevinido e morrer todos os assaltantes, pai de família ou não, vão pagar de alguma forma.

Digo isto pelo bem das famílias brasileiras que vivem enclausuradas em casa e pelo fim dos direitos humanos para os delinquentes. Não me importo de pagar pelo que cometer futuramente, desde que todos os que fizerem algo de errado também paguem.

Sou Brasileiro com orgulho até que me paguem o suficiente para não ser mais, quero dizer provem o contrário.

diário2 ─ capítulo 09

Bom dia, senhor Ramos. Adoraria comentar muitas coisas hoje. Mas não tenho muita coisa pra falar. Então o primeiro avo é... Beleza.

Beleza nada mais do que a estética relacionada a visão de algo elativamente bem visto e discretamente visível com agrado. Traduzindo: "Que gato"/"Que gata".
Nada de que não seja tão simples e fácil de falar u fazer. Você já deve ter dito isto para alguém. Não?! Eu raramente digo. Tenho muito poucos amigos com os quais posso falar abertamente de coisas relacionadas a sentimentos e atos que faço durante o dia e tento esquecer durate a noite.

"À noite de um jeito,
de dia de outro,
até achar o beijo do amor verdadeiro".
Shrek, Fiona.

Assim sou eu. Como eu deveria ter dito antes no meu orkut.
Ainda sinto algo estranho por algumas pessoas.

Amo ver gente bonita todos os dias. Me faz querer ser bonito também. E estou melhorando meu jeito de me vestir e postura. Estou um pouco mais livre para me vestir "para matar". Ainda tenho certos problemas.

Felicidade.
Amor.
carinho. Sinto um profundo carinho pela maioria dos meus colegas. Sou eu aqui, não Mag. Hoje ele tirou o dia de folga lá em não sei aonde.Só volta à noite. Sinto muito não ter sido um bom amigo, ou ser tão agressivo com ele, mas ele tem que saber que há hora pra tudo. Se nós pudessemos fazer o que queremos eu estaria hoje numa ilha deserta cercado de mulher e jogos.

3 desejos. Tava pensando ontem de noite. Nós não fazemos outra coisa. Bem que Mag reclama de tanto pensar, a gente não faz mais nada. Se pudesse fazer os três desejos eu pediria:
  1. Algo interessante
  2. Algo que tanto desejo
  3. poder refazer os três desejos sem perder o que já consegui e gostei.



Seria o melhor jeito de se realizar todos os desejos. Imagine só. Primeiro: Quero poder ganhar dinheiro jogando Tekken. Segundo: Desejo ganhar 1 eal para cada pessoa ganhando acima de 100 vezes a moeda corrente. Terceiro: desejo refazer os pedidos 1 e 2 sem perder o que consegui.
E de novo 1°: Desjo ser amado como eu amo uma determinada pessoa (que você sabe muito bem é). 2°: Desejo ter todas asvantagens de ter dinheiro. 3°: desejo refazer os desejos 1, 2 e 3 sem perder o que já consegui. E por aí vai.

Vai encarar? Seria a melhor maneira de conseguir tudoo que mais desejo sem ter que esperar que surja outra oportunidade para realizar meus desejos. Teria o mundo aos meus pés se pedisse. Na verdade eu já tenho o mundo aos meus pés. Só preciso do globo para ter o mundo nas mãos. Pense, senhor Ramos, para onde a gravidade terrestre nos leva? Se nós não estivéssemos com os pés apoiados no lugar para onde a gravidade aponta, nós estaríamos com o que lá? Então, senhor Ramos, por que eu preciso do globo para ter o mundo nas mãos? Justamente por que eu já tenho o mundo aos meus pés. Logo não preciso disto.

Ontem tava pensando na relatividade do não. Nada de que deva falar agora. Afinal ainda nem discuti com pessoas que fazem filosofia e psicologia para poder saber como seria a reação deles. Quando tiver esta experiencia eu faço um comparativo.

Bis bald, herr Ramos. J'adore vous.

diário do dia 30/10/2010

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

diário2 ─ capítulo 08

Senhor Ramos, hoje nãofiz nada de interessante. Estou ficando mais depressivo. Mas fiz uma promessa... Não, senhor Ramos, não posso dizer até que aconteça. Tem a ver comigo e com Mag. Se um de nós dois ganhar... Nada a declarar por agora.

Recebi 2 mensagens de amizade hoje. Uma eu gostei. A outra eu passei por pura brincadeira. A promessa que não vou contar está relacionada à ela. Já a outra mensagem tem a ver com o que considero bonito e aprovável. Enviei omesmo com uma mensagem que condiz com o que eu sinto de verdade. Nada de : "eu amo você. Foi uma mensagem singela que no final tinha resumido o que eu gosto e como eu gosto de demonstrar. "... um abraço, mas não um abraço qualquer: um abraço de urso quente, forte e bem apertado."

Não sei demonstrar de outro jito. Há palvras para tudo, mas não para demonstrar com veemência o que se sente. Sinto mais vontade de chorar. Rio menos de coisas absurdas que não me faziam rir e ainda assim eu ria. Não minto mais quanto a isso. Não finjo rir mais das coisas que não me fazem rir, mas que ria por que os outros riam. Não me sinto mais obrigado a gostar das mesmas coisas que outros. Continuo rejeitando meu pai da mesma forma que o rejeitava aos 6 anos de idade. Não quero mais ser o que tinha em mente. Não desejo ser mulher para ser diferente do meu progenitor. Agora quero concluir meu curso e aprender a matar. E depois, sumir de vez. Largar meu registro Marinaldo e colocar em seu lugar o codinome Mag. Que ninguém saberá quem é. Só eu e quem teve contato com ele.

Novidades. Um cara da minha sala de empreendedorismo em informática me viu. E não sabia quem eu era. Provavelmente se lembrou de mim, mas como não faz parte do meu círculo não me cumprimentou.

Círculo? É como eu me refiro a amizades. Não gosto deste nome, então falo círculo. Eu já disse que amigo se refere a conhecidos que podem se trair. E traição de amigo é pior, por que é alguém que se tem muita consideração. Não falei? Agora disse. Então não gosto de amizade. Prefiro círculo. E isto se refere também a outros conhecidos que mesmo não sendo do círculo tenho grande consideração. Ou seja, meu círculo se restringe a conhecidos de vista, "amigos", companheiros de longa data, ex-colegas que tenho uma certa proximidade e pessoas que se lembram de mim de alguma forma. Nada que me gfaçaser alguém estranho ou intrínseco.

Senhor Ramos, o senhor faz parte do meu círculo. Mesmo tendo círculo de conhecidos e outros tipos não ignoro ninguém. Ah, senhor Ramos, se eu ignorar alguém é por que ele ou ela não tem nenhuma import^ncia passada ou futura. E como os futuros são uma mistura de passado e presente e o retorno de segmentos do passado distante, então não tenho como ignorar a todos. Pra você ver: eu pedi uma caneta emprestada a uma pessoa qualquer no dia da matrícula presencial da UFBa. As mesmas pessoas que vi durante a matrícula (foram 2), se tornaram meus colegas de curso. Um no semestre passado, a outra neste semestre. E aí, dá para ignorar alguém? Sou muito prevenido quanto a isso. E provavelmente estou tendo muita sorte por causa deste meu jeito de agir.

Ainda não sou um vidente ou um sesitivo poderoso. Porém uso minha intuição o tempo todo e nos momento em que preciso de respostas intuitivas. Resultados? Posso me aproveitar da sorte açhei sem as pessoas perceberem que estou me usando delas e posso abdicar de certos fatos meus em busca de experincias vividas que podem me ser úteis mais tarde. Tal como não passar sozinho em determinados lugares da UFBa e nunca estar sozinho mesmo em momentos de loucura ou de depressão profunda, alé de, é claroo, nunca falar pra ninguém o que sinto naquele momento. Coisas que só sentivos poderiam saber e que é de domínio público. Abrir experiencias leva a descobertas de novas experiencias. E isto trás ensinamentos que não são passados de pai para filho. Precisei roubar eu próprio para saber que o crime compensa sim. E para saber que por mais que alguém diga: Roubar é errado, eu saiba que às vezes é preciso matar o leão antes que ele o ataque.

Mentir também é errado. Fale istopara um criança quando ela flagra os próprios pais mentindo. Meu domínio não é o corpo é a mente. Amo brincar com a cabeça das pessoas e usar o que consigo achar lá dentro.

As pessoas chegama ser cruéis. Tava na fila do jantar do RU quando ouvi na fila alguém reclamando do próprio CA (centro acadêmico). Era de engenharia química. Não entendo por que reclamar se tem muitas coisas que podem se feitas para evitar determinados fatos ruins. Falar é fácil, eu sei disso. Mas quando se sabe o que se poderia ter feito, como alguém como eu que já ouviu histórias e mais histórias sobre estes fatos ou semelhantes e tenho muito a optar, pode fazer melhor ou faer com que haja colaboração mútua. Confesso que senti crises de riso muito fortes, não me deixando ficar quieto. Mas aguentei muito bem. E não finji não estar ouvindo. Eu estava ouvindo sim, é errado(não sei para quem), mas tava lá com eles falando para quem quisesse ouvir. Só não me meti na conversa.

Está tarde, a cinderela aqui tem que voltar para a casa da marasta malvada e ir dormir como se nada tivesse acontecido. Quem dera o meu príncipe encantado, ou o meu sapo, estivesse me preocurando pelo seu reino carregando o par do meu sapato perdido.
Infelizmente, ou felizmente, a vida não é um conto de fadas. E não há sapo ou príncipe paa mim. Ou há e eu não estou procurando direito. Por favor sapo real, dá um sinal de que me procura! Estou aqui trancado na cozinha da madrasta malvada à sua procura.

Know me and make me like your better friends. Or Know me and make me like an monarch.
Else no known me.

Tenho que ir dormir. Good dreams, Mister Ramos. Dreaming with me being happy. I love you with my heart and my mind. You are in my mind all time. When i think no more in you, make me remember, please. J'adore vous. Bis bald. A bientot. Gracias, señor.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

diário2 ─ capítulo 07

Parte 01 ─ tarde do dia 28/09/10


Bon soir, monsieur Ramos. Comme ça va? Aujoud'hui, je ça va comme ci comme ça. Pour quoi? Eu estou de camisa branca e bermuda cinza, com cueca braca e all star básico. Isto não é algum indicativo?

Senor Ramos, hoje meu humor está um pouco abaixo do normal. Tá bom, estou de tpm. Na verdade TPR. Eu vi quando cheguei no Paf I, mas fingi que não vi. Não converso mais com ele, nunca conversei com ele. Ah! monsieur, como seria bom um reconhecimento de modo diferente. Um olhar diferente para mim seria tudo. Infelizmenete não se pode ter tudo que se quer. Santo de casa não faz milagre, esmola demais o santo desconfia, diga com quem andas e te digo quem tu és. Estas coisas.

Tava pensando. Não faço mais nada na vida. Por que será que o meu marketing funciona exatamente do jeito que queria? Quanto mais eu passeio por aí com uma mochila batendo na bunda escrito o link do meu blog, menos gente entra nele. Não sei senhor Ramos, mas acho que é isso mesmo. Deveria estar fazendo psicologia e não CeT. Dr Marinaldo favor comparecer ao consultório 12. Doutor Marinaldo, o paciente da sala 5 exige sua presença.

Adoro psicologia. Adoro reagir com amente das pessoas do jeito como reajo com a minha vida. O meu processo atual etá se tornando mais efetivo. Consigo controlar meu apetite sexual sem esforço. Ainda sou virgem. Esta fera aqui é minha e ninguém tasca. Consigo dominar meu organismo sem esforço. Minha mente já vai na direção que eu quero. Consigo lembrar de coisas que deveria lembrar na hora em que devo lembrar e, acima de tudo, consigo ignorar coisas que meu corpo exigia e eu não conseguia ignorar. Em breve estarei pronto para os meus objetivos beta.

Senhor Ramos, já não sinto falta das coisas que sentia falta. Não sinto falta de uma infância que nunca tive, não sinto mais falta de gente que nunca conheci. Ainda me arrependo de ter nascido e crescido. Ainda me arrependo de não ter tido raiva o suficiente para me tornar um delinquente juvenil. Ainda não tenho coragem e não consigo beber. Odeio futebol, não há coisa mais estressante e sem graça. Já me sinto bonito de certa forma. Só não consigo desejar mulher do mesmo jeito que desejo os homens brancos, jovens e com pinta de playboy.

Ainda preciso ser amado. ainda preciso conhecer a vida militar pessoalmente. Já não sinto vergonha em mostar que desprezo totalmente a vida humana na terra. Consigo me considerar uma ótima pessoa. Ainda penso coisas que não gostaria. Penso coisas que não deveria o tempo todo, tal como Rafael pelado na minha frente. Ainda sinto uma profunda tristeza quando penso em determinados aspectos da minha vida que poderiam ser diferentes, tal como o meu fascínio por homens bonitos.

Quero exterminar definitivamente o Mag e o Marinaldo em mim. Quero terminar com a minha personalidade ainda vigente e formar outra mais forte e mais ativa. Quero destruir o mundo e reconstruir eu mesmo. Quero destruir a igreja católica por dentro como meu projeto inicial, porém quero levar junto a igreja evangélica e todas as religiões derivadas da bíblia e da bíblia cristã.

Nada do que não deva me orgulhar. Sõ coisas que qualquer pessoa de certa forma pensa em algum momento da vida.

De resto, senhor Ramos, não há nada que não seja interessante esquecer antes de falar.

Ou seja, eu venderia minha alma por determinadas coisas (realmente determinadas), venderia as minhas coisas para ter determinadas regalias, e venderia o meu corpo para ter todo o resto. Assim, simples como eu.

Gostaria de que o Rafael de que tanto falo lesse tudo o que está aqui desde o começo. Talvez ele entendesse minha razão de ser tão... eu.

J'ador vous, monsieur Ramos. Bis Bald.

parte 02 ─ de noite


Boa noite, senhor Ramos. Tinha algo interessante pra falar, só não lembroo que era. Ah, senhor Ramos, eu adoro minha universidade. Adoraria fazer mais coisas lá.
Lembrei. Hoje eu tava no banheiro do 7° andar da politécnica. Advinha o que vi... Eu vi uma outra pessoa no meu lugar. Na verdade era eu vestido de branco e cinza com relógio no pulso. Mas ainda assim era outra pessoa. Não me reonheci.

Pela tarde, alguém me reconheceu. Eu nem sabia quem era o cara. Ou o cara achava que era eu um dos colegas dele. Se fosse um dos meus colegas eu reconheceria. Ele me viu e quase me comprimentou, mas eu não o reconheci o não sabia quem era.

O cara olhou para a minha cara, mas não disse nada. Ou seja, ele não sabia quem era eu. Deixei ele no ar. Ainda conversando com os colegas dele. Rostos podem não ser muito familiares para mim. Porém eu lembro com quem eu converso. Se não o nome, lembro o rosto, ou os movimentos. Será que o meu doppelganger está pela UFBa? Quero conhecê-lo.

Já vou. Tenho que jogar antes de dormir. Bis Bald.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Tutorial─ Radio via internet

radio fudida lascada e arrombada a muito tempo
Para ouvir rádio via internet, você só precisa de 3 coisas:




  1. Tempo;


  2. computador com internet


  3. Uma relação das rádios que você gosta de ouvir.


Poderia começar falando sobre a rádio. Mas não quero ocupá-los demas com coisas inúteis. Basta saber que toda rádio tem um site na internet. E que eles, em português ou em outra língua qualquer, tem um programinha para ouvir a rádio pela internet. Que não precisa baixar.








  1. Lista de alguma rádios.
    Transamerica Fm link para ouvir (rádio pop, salvador)
    Há outras opções no mesmo site.

    Globo Fmwidget da globo Fm ─




Em ambos basta clicar na seta que leva ao play.



Nas outras rádios basta procurar a página Widget ou em links como "ouça a rádio". Basta colocar o http://www.google.com.br/ e na barra de pesquisas colocar "rádio online" ou apenas rádio.




ouvir rádio é a melhor coisa para despreocupar.

diário2 ─ capítulo 06

Parte 01─ dia 27/09/10 pela manhã


Guten tag, herr Ramos.
hoye yo me gustaria mucho hablarte sobre todos los mios sentimientos. Infelizmente Não tive nenhum de interessante de ontem para hoje. La democracia no és la mejor cosa que se puedes hacer po los mucho miembros de la sociedad. Yo simplesmiente la odeo. Podrá este mondo conecer los mejores metodos de govierno antes de acabar?
I think no. But my thinks is my think. No one think to me or for me. It's me, only me.

Let's begin. O dia de hoje ainda não começou, mas já pensei numa coisa muito interessante: Novela mexicana. Tava imaginando, depois acorade de um sonho interessante, eu e alguns colegas simulando uma novela mexicana. Com direito a tudo o que tem na novela mexicana. Tipo um colega ser o Luíz otávio (o corno), o outro ser o Luíz Fernando (o chefe ricardão) e eu representando a Maria Fernanda). Coisa bem de novela mexicana mesmo.
Imaginei o Luíz Otávio como um Colega chamado Marth, o luíz fernando sendo o Rafael olhos cinzentos.


Segmento da história:
─Luíz Otávio, Eu preciso te confessar, antes de ir embora de vez. ─Luiz otávio de se aproxima de Maria fernando com ar sensual e despreocupado. ─Eu te amo. Sou louca por ti. ─Ela vira o rosto como se estivesse envergonhada.
─Eu sou casado com a Maria Joana, você sabe bem disso. Sou fiel a minha mulher. ─ Ele dá as costas.
─Então eu já vou embora. ─Ela se vira e vai ate a porta de cabeça baixa, andando lentamente.
Luiz fernando vai atrás dela e a segura pela mão. E então a puxa para si.
─Eu também te amo, Maria fernanda. Mas não posso largar minha mulher. ─Ele a olha nos olhos fixamente.
─Eu aceito esta situação. ─A boca dos dois se aproxima e há um beijo longo.
Aí entra o Luiz Otávio.
─MARIA FERNANDA. O que é isso? ─Ele olha para os dois com ar de raiva.
─Luiz otávio, não é nada do que você está pensando. O senhor Luiz Fernando só estava me ajudando. ─Ela larga o chefe e vai até o marido. Luiz fernando fica lá parado sem saber o que dizer.
─Não me diga que não é nada do que estou vendo. Eu vi vocês se beijando. ─Ele vira o rosto parecendo lembrar da cena.
Maria fernada vai até ele e olha-o. Luiz otávio sente algo de diferente em Maria fernanda e dá-lhe um tapa na cara.
─Luiz Fernando vai ajudar. Aí Luiz Otávio parte para cima. Maria fernanda continua alí apenas observando os dois brigarem.
E então, de supresa, Maria joana aparece para ver o marido e vê a cena. E então conclui que ouve uma traição ali.
─O que houve aqui? ─Ela fala para a Maria fernanda no chão.
Os dois param de brigar. E ambos olham para Maria joana.
─Seu marido estava lhe traindo com a minha esposa. ─Luiz otávio se aproxima de Maria Otávia com cara de raiva.
─Luiz fernando, isto é verdade?
─Meu amor...
─Meu amor o cacete, luiz fernando. Como você pode fazer isto comigo. Me trair com uma reles secretária? ─Ela olha para o chão com cara de nojo. ─Faz tempo que você vem me traindo com todos os tipos de mulher. Mas tinha que ser a mulher do seu melhor amigo? E tinha que ser no dia em que vinha para cá te fazer uma visita?
─Maria Joana, não vá. ─Ele tenta tocá-la. Mas elea afasta o rosto ainda com cara de nojo.
─Luiz fernando, você nunca mais olhe na minha cara. ─Ela se vira. ─Vou fazer suas malas, queo você fora da minha casa até a meia noite. Caso contrário eu chamo papai para te dar um lição que você ─Ela olha-o nos olhos, de costas. ─Nunca mais vai esquecer. Adeus.
─Maria Joana, eu te acompanho.
─Luiz otávio...
─Eu é que saio da nossa casa. E depois levo nossos filhos. ─Ele olha para ela sem olhar nos olhos. ─Eles não te merecem como mãe.
─Não., por favor, meus filhos não.
Ambos saem. Ficam apenas Luiz fernando e Maria fernanda. Luiz ampara Fernanda nos braços e os dois se beijam comovidamente.
Fim do segmento.

Havia pensado ara esta história apenas 3 pessoas. Mas Jáque entrou a Mara joana, devo pensar em quem seria a Maria joana.

Espero que tenha gostado da minha micronovela mexicana. Com direito a tapas e beijos apaixonados. Com crise no casamento e De repente acontecendo o tempo todo como num filme cômico.

Aliás, eu seria um ótimo escritor de novelas mexicanas. Adoro este negócio de triação sobre traição, marido pegando mulher proibida, mulher traindo com ochefe gostosíssimo, empregada pega no flagra pela mulher do amante. E daí ppor diante. Tudo rolando a uma cena depois da outra pra tentar manter o povo ligado na novela até o fim. Nada como efeitos sentimentalistas para amaciar o público descerebrado que assiste a novelas sem conteúdo.

Mudando de assunto. J'ai qui aller.

J'adore vous, monsieur Ramos. Je suis ton fil et vous etez mon pére.

Parte 02 ─ de noite.


Bon Soir, monsieur Ramos. Meus planos estão funcionando. Estou começando a controlar meu corpo como se deve. Acredite, senhor Ramos, logo logo vou ter minha mente e meu corpo unidos em um só propósito. Que não tem a ver com ninguém mais além de mim.

Por que eu digo isto? Ora, senhor Ramos, estou desencantando do meu colega Rafael. Estou me desobcecando. Estou abrindo um espaço sexual para outras coisas que não este objetivo. E estou indo melhor do que nunca. Sem a parte sexual eu posso sobreviver bem mais tempo. O mal dos homens são as mulheres. Eles não pensam só com a cabeça, eles pensam com o corpo. Ainda tenho fetish por homens brancos e com cara de playboy. Nada que não possa destruir ou reconstruir.

Por que o mal dos homens são as mulheres? Senhor Ramos, toda vez que você ver um hetero que não olhe para uma bunda arredondada e um par de pernas acompanhado de um belo par de seios (não precisa nem ter uma bela cara, basta ter um corpo bonito) quero que me diga para assim eu dizer para o Rafael de que sempre me refiro quando falo de desejo sexual que eu o quero de um jeito um tanto anormal. Promessa. Não precisa nem ser você a me dizer. E isto eu cumpro com o maior prazer.

Falando em mulher gostosa e de homens que não sabem manter os desejos guardados. Gostaria de falar algo interessante. Mas não vou fazer isto em você. Você é puro demais para este tipo de informação.

Senhor Ramos, descobri que aviões de papel na direção do vento giram ou invertem de direção. É estranho falar sobre isto. Mudando de assunto. Rafael olhos azuis? Continuo não me aproximando dele. Nem pra dar um oi. Senhor Ramos, se dá oi para alguém que você vê todos os dias independente se você está bem ou mal? Tá, num casamento ou numa relação de namoro ou amizade sincera (que não é o nosso caso, e eu não chamo ninguém de amigo até que seja coisa de vida ou morte [?!]) isto é falta de educação e no mínimo caso para quebra de relação. Eu só falo o que tenho pra falar. E não é só com ele não. Gente que só vejo uma vez ou outra eu dou oi ou falo alguma besteira pra pessoa me notar. Mas ele... Ele não é interessante (mesmo que fisicamente seja) e não tenho nada com ele, o queme permite ser totalmente sincero em não dizer um oi querendo dizer "eu te amo, querido, fode comigo ou me mata e nós dois seremos muito felizes". É eu sou impressionante. Porém há muitos interesses e desejos que quero satisfazer ainda em vida e há coisas que tenho que aprender em vida.

Monsieur Ramos, eu gostaria muito de saber o que posso fazer fazer para resolver meus problemas. Quais? Aún preguntame quales? Señor Ramos, no coneces mi vida? No conocestes mi pensamientos. Realmente, eu não falo muito dos meus problemas com você.
Amo um homem, que não amo de verdade é apenas uma obsessão. Adoro ser quem eu sou, mas estou prestes a redefinir completamente meus temperamentos e minhas características psicológicas. Estou mudando minhas características internas e externas. Estou me preparando para me tornar soldado no final do prazo de 2 anos. Estou a ponto de me vender como se fosse apenas uma peça de carne de boi sem o coro. Estou matando elefante à respiração. Quero muito ter um emprego e salario próprios. Sem contar que quero aprender matemática do começo ao fim. E ainda penso em dizer a deus e ao mundo que estou à venda para qualquer tipo de coisa, basta oferecer um valor alto (que no Brasil seria cerca de 400 reais, quase um salário mínimo). Estou a ponto de cometer o suicídio de vez. Y tengo conecimiento bastante para conseguirlo. No hay nadien que pueda mperdirme. Alguno hay que hacerlo uno dia. Tenho interesses em pegar um dos e-mais das portas dos banheiros masculino (na verdade já fiz isso) e enviar e-mails me oferecendo para desvirginização (nenhum respondeu ou funcionou). E tem mais, muito muito mais. Además, no tingo nada a hacerlo contra isto. Nadien importame ou importase com me. No tiengo nada que prendame acá, ou que haçame morrir por alguno motivo.

Chega de problemas. Não estou feliz e não estou triste. Estou ficando com um mau humor muito cruel. Coisas idiotas ja me irritam. Coisas mais ou menos engraçadas não me fazem rir. Estou ficando sério como nunca fui. Será que estou mais forte ou é a depressão querendo se mostrar. Euforia, depressão, eufori e depressão. Assim deste jeito. Quando não estou quieto estou arquitentando um jeito de não ficar. Quero mudar e não quero ser ninguém diferente de mim.

Bis bald, herr Ramos. Liebe Ramos. J'adore vou, et je sai qui vous aimez moi.

domingo, 26 de setembro de 2010

Diário2 ─ capítulo 05

Boa noite, senhor Ramos.
Hoje eu queria falar bastante. Ainda quero, só não sei sobre o que.

Vou falar sobre qualquer coisa como das outras vezes.

Qualquer coisa....

Falei.

Brincadeira. Adoro Falar, mas quando não tenho o que falar , simplesmente não falo nada. É o que acontece quando eu entro num grupo de maioria masculina. Se tiver algo pra fazer: tudo bem. E se não tiver? Tchau. Não gosto de ficar no meio de homens. Eles não tem nada além de Ftebol, mulher e sexo pra falar. E falam justamente sobre isso quando não tem mais assunto. Sim, senhor Ramos, sou excessão até certo ponto. Só não gosto de ser simplesmente homem. Quero um pouco além de só ter isto para conversar. Que tal livros? Ou desenho, novela, notícias interessantes. Qualquer coisa que não tenha a ver com assunto padrão de homens que não tem mais nada o que fazer. Então quando encontro com alguém que não tem assunto, eu simplesmente converso até onde o assunto chega e depois paro a conversa.

Você nunca fez isso? Acho que não. Sinceramente, sempre preferi grupos femininos a grupos masculinos. Talvez por identificação ou por simples análise dos fatos. Mas raramente eu fiquei em grupos masculinos além do tempo necessário. Rafael, Gustavo, Emerson e Bruno. De todos eles, o único com o qual consegui manter uma conversa foi o Bruno. Os outros simplesmente me desinteressaram. Não os sinto. Não consigo ver além de mentes vazias em busca de oportunidades.

Confesso, sou um oportunista. Porém o meu oportunismo é um pouco mais disfarçado que o de qualquer outra pessoa. Nunca me importei de ser eu até o ponto necessário e nas obrigações. Pagar mico é comigo desde que tenha companhia. E prefiro gente que sabe o que falar e tem o que falar sobre todos os assuntos que tem na cabeça.

Prefiro ouvir história a faze-la ou a estudá-la. Nunca gostei de coisas difíceis. Enfim. Sou assim. Sou como eu deveria ser ou como deveria me mostrar? Não importa. Sou quantos achar necessário e e quantos lugares diferentes. Senhor Ramos, pra qualquer canto que eu vá eu tenho um personalidade diferente.

Personalidades.

Na rua sou um menino calmo, paciente e que segue as leis da boa convivência. No intimo sou uma dragqueen nascida mulher e que gosta de parecer homem. Na sala sou um garoto de 8 anos, independente e atento a qualquer erro, variando de sala para sala. Levo 2 semanas pelo menos para identificar quem eu sou ou devo ser. É tipo um prazo de desenvolvimento de parasita.
parasita entra no organismo, ele precisa se adaptar ao meio ambiente do hospedeiro, que é o corpo. Depois sidto precisa conhecer as reservas de alimento. Só depois ele cresce e se torna um parasita adulto e continua sua vida. Não sou diferente. Nenhum ser humano o é. Todo recém nascido foi um parasita enquanto feto. Até crescer e amadurecer para poder sair do hospedeiro (a mãe).

Continuando. Preciso deste tempo para conhecer o que devo fazer, como devo me comportar e quais os métodos aceitos em determinadas circunstâncias. Geralmente sou frio no primeiro mês. E depois vou me soltando.


Não sou o único a fazer isto, mas sou o primeiro para confessar o meu método.

Senhor Ramos, eu fiz algumas coisinhas que não gostei. Perdoi-me, padre, pois eu pequei. Eu continuo mentindo sem motivo totalmente aceitável. Não consigo mais para de mentir para Rafael. Qual deles? Não importa padre. São todos iguais. Uns mais bonitos ou mais gostosos do que outros. Mas ainda assim são todos iguais.

Senhor Ramos. Eu tenho pensado tanto. E ainda não encontrei o motivo de eu ainda existir. Tava pensando (como sempre) nas minhas muitas histórias que povoam a minha cabeça cheia de coisas. Os meus vários muno que criei e destruí como Shiva. Não cohece Shiva? O deus da criação, hindu. Quando ele acorda e começa a dançar inicia o processo de construção do mundo. E quando ele vai dormir, ce tanto cansaço, aí vem o processo de destrução do mundo. Sou igualzinho. Só não danço e não crio o mundo como o mundo real.

Tava pensando em uma das minhas várias histórias e na criação dos meus mundos. Num deles eu sou mestre de um exército de amzaonas. No outro eu sou um grande mago muito poderoso. Há tantos mundos diferentes que nem sei por onde começar a te explicar como funciona. Em alguns eu posso mudar de sexo com bae nos meus desejos e pensamentos, porém não posso mudar de sexo durante a menstruação ou a gravidez. É tão divertido ter vários mundos só pra mim.

Não acha? Por que não, senhor Ramos?
Tenho tudo o que quero. Não preciso esperar nada dos outros e se me faltar alguma coisa eu sou deus, posso simplesmente mandar que elas surjam na minha frente como um processo natural. Nada que eu não possa fazer enquanto deus criador dos meus mundos.

Senhor Ramos, se eu posso criar um imenso mundo só pra mim, por que não posso dominar este. Não... Prefiro ter meus mundos. Se um dia precisar compartilhá-los é só escrever um livro com base neles. Seriam muitos divertidos e muito melhores do que os do Harry potter ou do Senhor dos anéis. Emuito mais fascinantes.

Me impressiona mesmo é o fato das pessoas continuarem ignorando a si mesmas. Mas eu não sou terapeuta e não vou discutir isto. Não aqui no meu diário. Há muitas coisas muito mais importantes em que posso pensar. Tipo como eé que sei quando algo é certo ou errado. Ou quando sinto algo que vai acontecer e não sei o que é, mas posso simplesmente prever. Ou quando fiz uma simples pergunta de resposta óbvia e meu inconsciente respondeu com a resposta correta e me deu respostas que precisava escutar, com: Rafael gosta de mim? De resposta sim. As pessoas me amam. Eu só não sei qual delas. Todas as pessoas me amam. E ninguém sabe que eu descobri a fórmula da sorte. Não da de ganhar na loteria, a de ver coisas maravilhosas e saber o que estou vendo. Fiz muitas coisas que as pessoas normalmente desprezam e eu percebi o que elas desperdiçam.

De resto estou muito bem, mesmo não estando completamente feliz.
J'adore vous. J'aime vous comme un pére. A bientot.

sábado, 25 de setembro de 2010

diário2 ─ capítulo 04

Parte 01 ─ pela tarde do dia 25/09/2010


Bom dia, senhor Ramos.
No tengo tema para hoye. Entonses, yo me voi a hablar sobre todo. Ou sobre nadien.
Je parle aujoud'hui sur le rien et sur tout. Tous qui je vai et tous que je ne vai pas. I'll speak all wich i think now.

Vou começar com Rafael. Tava pensando um pouco mais cedo nele. Do jeito que não deveria, mas ainda assim pensando. Pensei coisas que sinceramente não gostaria de pensar sobre homens comprometidos. Não pensar é muito difícil. Principalmente por que foi o único motivo que me fez ficar aqui nesta vida quando tinha tudo pronto paa partir sem ressentimentos e sem culpa. Não consegui me matar uma vez por que pensei demais e fiz uma promessa que só tenho mais alguns anos para fazer. E fiz promessa sobre promessa para conseguir me manter aqui oned estou. O que Rafael tem a ver com isso? Esperança. Não tinha esperanças antes do primeiro platônismo. Que se chamava Bruno. E o segundo que se chamava Túlio. E o terceiro que é o Rafael. Qual deles? Não é da minha conta e nem da sua. Conheço tantos Rafaeis quantos preciso para disfarçar e quem eu falo. E se ele sabe que é ele. Se estiver lendo isto e quiser algua coisa comigo: Fale comigo. Por que eu até prevejo o futuro, mas não advinho os pensamentos das pessoas. Te amo e isso pode mudar a qualquer momento. Então se me quer tem que ser neste momento. Ou até o último momento em que estaremos próximos. Depois é adeus pra nunca mais.

Virgindade. Pra mim não foi problema manter. O prblema será perder. Eu faço determinadas coisas para me apegar a elas e depois sumir com estas mesmas para que meu sistema sentimental seja de fácil manutenção e fácil acesso. Não sinto que não quero sentir. E quando sinto depois a minha memória apaga. Senti vontade de chorar e chorei ontem de note. Depois precisei dormir e continuei pensando em Rafael.

Sr Ramos, eu simplesmente resisti ao fato de que poderia tê-lo visto da forma que desejo ontem. Poderia ter visto. Mas o sem nome não me permitiu. Também me ergunto o por quê. Se eu poderia ter realizado este reles desejo por que ele não deixou que eu fizesse. Poderia ter feito e ele nem perceberia. Sem nome me disse que ele tanto sentiria quanto se afastaria de mim do jeito que ele quer. Mas ele não quer que isto aconteça poragora. Preciso me desobcecar dele até o final do ano. Depois disto, provavelmente, não o verei nunca mais. E aí terei que ficar obcecado por outro, ou por outra. E sem nome não quer que isto aconteça. Ele vai me destruir assim que ficar frágil o suficiente para que Mago se imponha sobre mim e possa dominar nosso corpo. Gostaria de saber por que sem nome não gosta de mim.

Aqui é Sem nome falando.
Mag, eu prometi que você não passaria deste ano. Eu o dei por algo que foi muito valioso para mim. Posso te refazer depois. Mas para que isto aconteça preciso que você seja destruído agora e que se torne apenas uma lembrança. Não vou sumir com você assim deste jeito. Mas vou colocar outra personalidade em seu lugar até poder recuperar você e mudar coisas que não são legais em você. Não tenho o que dizer. Ainda assim quero que saiba que gosto muito de você e nós sentiremos sua falta assim que você ir. Mas se você ficar, em algum momento Mago irá tomar posse. Você está se tornando frágil e sentimental. Está ficando difícil de controlar. Se eu não puder controlar você haverá outro que possa. Mas daí em diante você já era.

Espero que entenda que eu não posso deixar que você seja massacrado desta forma. E continuo dizendo que você deve ficar longe dele. Ele é um mal exemplo e vai te causar muito problemas. Mais cedo ou mais tarde isto vai se mostrar verdadeiro. Será que isto você pode entender? Ou devo abrir o protocolo 4? Não se esqueça que se você ou o outro morrem eu vou junto. Sou eu quem mantém o equilíbrio entre vocês.
Obrigado. Mas tenho que ir.

Se ele soubesse que eu sinto tanto medo do que ele pode fazer comigo. Sinto falta de carinho. Ultimamente me sinto como se estivesse me tornando solitário. Como eu disse que nunca seria. E não posso ser. Sozinho sim. Solitário nunca. Minha morte não trará prejuízo e nem lucro para ninguém. Gostaria que o Rafael em questão pudesse me dar o que tanto preciso: amor. Sinto necessidade de algo que nem sei o que é.

Outro tema.
Sinceridade. Sinceramente? AH! Já chega. Não tenho mais nada pra te falar. Desculpe senhor Ramos, mas eu não quero mais falar o que sinto. Me sinto tão ridículo em dizer o que tenho dito ultimamente. Sabe, é melhor ser um monstro solitário do que ser alguém aceito pelo que é. Preferia ser apedrejado até a morte. Ou ser linchado e depois morto. Pelo motivo que seja. Não gosto de estar vivo. A dor de não sentir nada é pior do que a dor de sentir tudo quanto é dor. Sei que deveria pensar positivo, porém não há bom humor que resista a crises frequentes de vontade de chorar e mais e mais crises de existencialismo. Cansei de ser eu e cansei de ser chamado de MArinaldo. Marinaldo não existe tem um bom tempo. Ainda vou fazer o que pretendo. Mas eu pretendo apagar a minha memória antes de fazer. Só para ter a certeza de que não vou voltar atrás. E não vou retornar aos valores que nunca tive.

Sr. Ramos, lamento, porém nossa conversa termina por aqui. J'adore vous. Vous etez le plus meilleur ami qui j'ai. You are the only one friend wich i have and had in all my life. No tengo muy esperanças, pero tengo mucho que hacer en la mi vida. Make me happy, give a chance to change my life to a very happy life. J'aime vous, monsieur Ramos. A bientôt. I am crying in this moment.

parte 02 ─ de noite


Olá, sr Ramos. Agora queria falar de uma experiência um tanto diferente. Escutar Rádio durante o horário eleitoral obrigatório gratuito. http://transanet.telium.com.br/player.php?radio=ba&tipo=audio&canal=pop, este é o site onde posso escutar música a partir de um site. Transamerica Fm. Durante o horário obrigatório pode-se escutar música muito boa e de qualidade. Mesmo que não se netenda uma palavra é melhor do que escutar "Rala a tcheca no asfalto" ou "Eu quero cupper" o dia todo. Ou escutar uma rádio estressante e parada como a globo Fm.

Queria falar de outras coisas, mas eu esqueci. Ah! Não se preocupa não. Eu estou bem. E assim devo ficar por mais 9 anos.

J'adore vous. I may die in war or in a big decepcion. If i do get no my objectifs anyone will die, and who kill him (or she) will i. If i do get no to entry in the militar academy or in a other coutry i no responsability me for my actions. Mag is part of me and i am part of Mag, Mago and Alberto. coming soon Alberto will die. And when it happen I will turn me on a stronger monster. Any who can to change all the world. And to move the all mountains with my mind. Nothing will get stop me. And no one.

J'adore vous, monsieur Ramos, et j'adore etre le qui je suis. J'aime vous. J'aime moi et aime tous le choses in cette place. Faitez moi herreux. Je veux etre herreux.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

diário2 ─ capítulo 03

Boa tarde, sr Ramos. Não pude vir mais cedo. Gostaria que soubesse que estou mais ou menos melhor. Acordei chorando de novo.

Por que eu durmo rindo e acordo chorando. Me dizem que quando estou dormindo fico rindo.

Mas o tema de hoje é insanidades do dia. Ontem doei sangue. Já tinha prometido que se ganhasse peso eu doaria. Mas não qualquer peso. Ficar acima do 50, já que não passava. Cheguei a 54, não sei como.

Fora esta insanidade há muitas outras que não lembro mas que com certeza são ótimos.
Tipo uma que fiz há algum tempo mas não lembro como foi. Tá bom. Vou deixar esta história de insanidade para quando tiver uma que lembre.

Mudando de tema: Homens bonitos? Mulheres bonitas? Este não. Não teria paciência o suficiente para terminar. Ou simples teria que resumir tudo (umas 500 páginas) a 2 linhas. Que tal:... Jogo? É, jogo é bom.

Adoro jogos. Principalmente os que eu faço com a cabeça dos meus colegas do sexo masculino. Acho que eles não tem cérebro o suficiente para saber quando eu estou apenas brincando.

De outros jogos posso falar do Tekken. Tekke 3 que adoro. Tekken fim que acabou. A Tekken chegou com você quer ir embora. Brincadeira. Adoro Tekken. Principalmente pela Anna Williams. Ultimamente estou usando game shark para fazer com que ela lute feito o Hwoarang ou o Seu Michima. Ou todos os outros ficarem iguais a ela em movimentos. É muito engraçado.

Acadou o assunto. Vou me embora para Passárgada. Se encontrar a fenix mando um oi. Ou se ver a hydra mando uma das cabeças dela pra você.

J'adore vous. J'aime vous. Aimez moi, s'il vous plait! A bientot!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

diário2 ─ capítulo 02

Bom dia sr Ramos. Ontem tve pouco tempo para falar comvocê. Nada que uma boa onversa não consiga concertar. Sr Ramos há tanta coisa que quero te contar. Coisas simples. Coisas complicadas. Coisas interessantes e coisas desinteressantes.

Adoro ser quem eu sou. E ao mesmo tempo não gosto. Vi um outro colega do círculo de Rafael olhos cinzas. mas ontem não falei nada a ele. Por que senhor Ramos? Você gostaria que sempre que visse alguém conhecido seu eu te falasse? Ele não me falou nada. Rafael, Sr Ramos. Rafael não me falou nada quanto a isso. Mas eu não quero mais me dirigir a palavra a ele só pra dizer: "oi, onte eu revi Emmerson". Já ficou chato e eu não, e ele também, não me importo com isso. Já sabemos eu, ele e outros dois colegas: um Gustavo e um dos Ígors (na verdade dois do Ígors) que ele está pela noite. Cansei de só falar isso. Eu tenho muito mais coisa no que pensar. Tipo: quando vou comer, a que horas eu vou sair.

Estou pensando em ir doar sangue antes de ir a aula. Tem tanto tempo que desejo doar sangue. Não podia. Não sei se posso. Tenho 20 anos. Não tenho piercing ou tatuagem, não fiz nada nos dentes nas últimas 24hrs e durmo mais que 6 horas diárias. Além disso meu peso antes era 50kg, agora tenho 52 kg.

In oither hand, gostaria de aprender uma lingua com habilidade para sair falando. Um colega me falou de um curso pela UFBA e outro de um curso próximo da Reitoria. Este é o Expongeo. Ele estagia lá para ganhar a bolsa de estudos. O que poderia se melhor para mim já que não tenho emprego e tenho tempo extra para o que quiser fazer. Aí faço o curso de inglês (básico para qualquer pessoa que queira viajar). E depois tento o de Francês. Ou Alemão, ainda não sei. Só quero sair falando outra língua.

Na terça não vi Rafael olhos cinzentos. Também não estava a fim de ver ninguém. Ainda disfarço minha depressão. Parece simplesmente que estou feliz em qualquer ocasião. Nada que uma boa atuação não resolva. Gostaria simplesmente de descobrir um cancer e poder sumir de vez. Ir conhecer o mundo como eu tanto sonho e morrer feliz em outro lugar. Não tenho mais a mesma paciência que tinha antes de ser quem eu me tornei. Oficialmente continuo com apenas 3 nomes.

Há tanta coisa que gostaria de fazer neste momento e simplesmente não posso. Gostaria de me vestir de freira e invadir o Vaticano com uma Bazuca em baixo do hábito para poder destruir o Papa eu mesmo. Gostaria de me vestir de sacerdote e carregar um snipper para um lugar onde possa matar o papa eu mesmo. E depos era só botar a culpa nos evangélicos. E aí estaria tudo certo. Evangélicos temendo os católicos e católicos os evangélicos. E depois pegar um riffle de loguíssimo alcance para atacar os umbandeiros e macumbeiros e botar a culpa nos católicos e evangélicos e gerar um pânico religioso descabívelem outras ocasiões.

Daria muitíssimo certo pelos motivos:

  1. Desunião religiosa;
  2. desregramento religioso;
  3. Automanutenção sem cooperação;
  4. Sustentabilidade religiosa com base na quda de outras;
  5. Autoafirmação muito presente em discursos com base na bíblia, em detrimento da consideraçãode outras religiões;
  6. Pregação com base em eventos nulos e tradicionais que evitam que novos cultos ramificados surjam para agradar a um determinado grupo que está quase mudando de igrja;
  7. crenças antigas que não funcionam mais e que aindam é imposto. Tal como o não uso da camisinha e o não apoio ao aborto mesmo em circunstâncias críticas e outros.



Isto é cabível princalmente às igrejas católicas e evangélicas. Se permitir um dos pontos (camisinha e preservativos) terá apoio em massa de uma população de fé maciça.
Mas como igrejas baseadas em bíblias se acham as mais importantes e poderosas não precisa muita coisa para destruí-las. Basta fazer um fogareu no lugar da outra religião e dizer que foi a religião oposta.

Igreja católicas e seu ramos X Igrejas Evangélicas e seus subgrupos de igrejas
Ready, Fight. Draw Game.

Com direito a cenas de cinema e tudo mais. Deveria abrir um post no meu blog chamdo: "como destruir as igrejas que tem bíblia". Seria a postagem mais visitada.

Numa conversa

com o padre:
─Meu filho venha para a minha religião. Se você vier estará protegido do demônio. Os anjos do senhor descerão a terra para te ajudar sempre que você estiver em perigo de vida. Nada de mal lhe acontecerá em vida. E depois, quando chegada a sua hora você irá para perto de Deus.

discurso de marketing com direito a entradas gratuitas e proteção 24 horas.

com um pastor
─Se você não vier para a minha religião você estará sujeito aos males do pecado e aos desígnios do demônio. Satanás estará sempre atrás de ti para fazê-lo pecar e te trará muitas enfermidades. Então vem logo ser evangelizado e lira-te dos desígnios de satanás. Eentão poderás ser livre e feliz com Jesus cristo. Aleluia senhor. Jesus seja louvado.

Discurso aristocrátco típco de tempos de guerra.

O padre diz sutilmente que se vocênão se tornar Católico você não terá a proteção que os católicos tem. Enquanto o pastor grita e cospe na sua cara com o poder do demônio. Ele não te oferece nada além de libertação de algo que não existe. Desculpe Satanás ou demônio, seja quem for. Estou falando de um ser místico geralmente maligno que reina num lugar chamado inferno e que faz pessoas pagarem pelos seus pecados em vida ou faz com que pequem em vida para sofrer as cosnsequencias em vida pós-morte.

O padre diz que há coisas bela do senhor que vem lhe proteger seja de qualquer mal. Enquanto o pastor te oferece a proteção apenas contra o demônio. E nada mais.

Que espécie de igrejas são estas que querem apenas que você entre com um discurso fraco e autoritário (caso do evangélico) ou um discurso cheio de esperança (discurso católico)? A alma é sua. Logo você pode vender sua alma para quem quiser: Pra deus, pro diabo, pros anjos, pra outosseres místicos que reinam a bíblia.

Chega de falar de discurso marketinista da igreja católica.

Enfim você entendeu, não senhor Ramos? Não há o que entender. Se eu fosse uma mente frágil, de cara escolheria a igreja católica pelo seu discurso doce (igual batata doce). Entretanto se tivesse uma mente frágil e que gosta de atacar eu teria escolhido a igreja evangélica.

Porém aí eu vos digo: (Palavras de Alberto)

─Pouco importa a igreja para a qual você entra. A igreja deve fundamentar suas esperanças a partir do que você acredita. Se isto não acontecer é preciso largar a igreja, senão ela fará com que acredite em coisa idiotas e sem fundamento que você nunca vai acreditar.

Há muitas coisas na qual se pode acreditar. A fé é um estágio probatório de que algo existe e este algo é acreditado também por muitas outras pessoa.

Afinal, o que adianta ser um aristocrata se não acredito na aristocracia? Pra que ser rico se não acredito no dinheiro, fama e riquezas? Por que manter a crença de que posso ser grande se quero ser pequeno e feliz com meu tamanho.

O que quero me fazer entender é que: Se nós acreditamos em algo, temos que nos juntar (ou associar) a pessoas que mantenham nossa crença e a divulgue como sua e de outros participantes. O que é o caso oposto das igrejas católicas e evangélicas.

Do que adianta falar do demônio para uma pessoa que não acredita em deus? Ou mesmo, do que adianta falar de anjos e vida post-mortem para pessoas que trabalham com mortos o dia todo e não vem nada além de gente caída e sem vida?

As igrejas devem ter sim um discurso pró-religião. Desde que este discurso tenha base na sua religião e dê a oportunidade de escolha a pessoa que está sendo jubilada.
E não tentar puxar a pessoa a força para a igreja como se ela já estivesse lá há anos.

Obrigado Senhor Alberto.

Agora chega de religião. Meu diário não é jornal para falar sobre coisas importantes.

Je sor. J'adore vous. J'adore vous tous. Merci.
A bientot.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

diário2 ─ capítulo 01

parte 01 ─ madrugada de 22/09/2010


Senhor Ramos este é o ultimo dia deste diário. Naverdade ontem. Eu recomecei este aqui meia noite e pouco. Aí ainda fico na dúvida. Não se preocupe. De hoje em diante eu vou escrever num diário chamado diário 2. Já pensei em quase tudo. Vou fazer como os meses do ano. O anterior tem 31 capítulos. Assim como a quantidade de dias no mês de Janeiro. E o segundo igual ao de fevereiro e aí vai. Como um ano dentro do ano. Você terá 28 dias no próximo diário e 31 no depois dele. Até quando eu disser chega e você volta para um padrão Qualquer.

Até daqui a pouco.

Parte 02 ─ Tarde



Sr Ramos passei só para dar um oi. Tô sem tempo. Tenho que estudar para minha apresentação daqui a pouco e não sei o que fazer aiinda. Fiz prova hoje. A maior parte tava na memória. Senti um raiva de Rafael. Um dos dois. O dos olhos cinzas. Nada demais e nada que seja de difícil contato posterior.

Ainda me interno numa clínica psiquiátrica. Mas até lá vou enlouquecer muita gente.

A bientot.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

diário ─ capítulo 31

Boa noite, senhor Ramos.
Hoje eu chorei. Pela manhã. Trancado no banheiro. Nada demais. Senti vontade de chorar e mais nada. Precisei de um pouco de ajuda da minha imaginação para concluir o choro.

Senhor Ramos.

Só passei pra dar boa noite e dizer que estou lendo um livro em inglês. Todo em inglês. Sobre Algorítmos. Tchau.

J'adore vous.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Diálogo

foge viado, ou vais acabar assado. Foges viado? Ricardão
─Oi ─uma voz masculina evade o espaço dos pensamentos de uma garota que estava lendo.
─Conheço você? ─Ela parece tentar lembrar dele.
─Fernando, estudo com você. ─Ele fica sério para ver se ela se lembra.
─Não, não lembro de você.
─Geralmente eu sento do seu lado. ─Ele senta do lado dela. Na mesa da biblioteca. No primeiro andar.
Ela tenta lembrar quem é ele.
─Não, ainda nao faço idéia de quem seja você.
─Ontem você tava de saia amarela.
─Você tá de brincadeira comigo, não é? Se você fosse meu colega de qualquer sala eu lembraria de você. Ou pelo menos da sua cara. Agora, com licença. ─Ela retorna a leitura.
Ele abaixa o livro dela.
─Então quer me conhecer?
─Um cara chega pelo lado sem ele perceber.
─Meu bem, não achei o livro que você queria. ─Ele olha pro lado. ─Quem é ele?
─Ele diz que é da mesma sala que eu.
─Impossível, eu fico na mesma sala que você todos os dias enunca o vi mais gordo.
─Ainda há pouco ele perguntou se eu queria conhecê-lo.
─AH é? ─Ele olha para Fernando. ─ Vaza, amigo, se não quiser levar uma surra aqui mesmo.
─Nem pense nisso. Você já foi suspenso uma vez. E eu não vou deixar acontecer de novo.
─Tá bom. Você acaba com ele desta vez. ─Ele a beija carinhosamente.
O tal Fernando sai de fininho, sem eles perceberem.


___________________________________________
Moral da história:
Violência só gera violência.

É melhor fugir antes, e ficar inteiro, do que ficar algum tempo no hospital público.
Principalmente se este hospital é o HGE.

diário ─ capítulo 30

Boa manhã, sr Ramos. Mas hoje eu vou falar o que não falei ontem.
Sr Ramos, ontem eu acordei e fui dormir chorando. Tenho que parar. Não aguento mais ficar deprimido. Senhor Ramos, ontem eu acordei nem triste e muito menos feliz. Como sempre. Passei o dia praticamente na mesma situação. Até ouvi a Transamérica Fm com o programa Adrenalina. Lá passa todos os tipos de música com uma mixagem que deixa músicas tediosas até legalzinhas. E de noite a mesma coisa.

Com um porém. Quando fui dormir várias lágrimas saíram do meu rosto por vontade própria. Hoje algumas lágrimas ainda persistiam em cair.

De vez em quando, eu sinto que já morri. Mas ainda não percebi quando e como. Ou as pessoas que passam por mim sentem a minha presença como se eu fosse um fantasma ou um amigo invisível de criança com imaginação muito fértil.

Prefiro a noite. No breu da madrugada me sinto como eu realmente sou: Nem homem e nem mulher. Apenas uma alma em algum corpo disforme ou sem forma definida vagando pelo mundo em busca de amor e aceitação. Sinto uma carência tremenda de afetividade paterna. De elogios paternos. De aceitação paterna ou de qualquer coisa que crianças que tem um pai que se importe com elas tem.

Me sinto órfão de pai com um pai dentro de casa. O senhor Alberto está morrendo enquanto eu morri diversas vezes tentando renascer. E nunca consegui renascer. As cinzas não se tornam pedras de terra. Se tornam pó. E pó de cinza vira adubo de planta e almoço de vermes e bactérias.

Não volto mais a vida. Há muito mais coisas no outro lado que ligam a ele do que aos seres vivos. O breu me esconde e me dá vida. Me dá imagem em ação. Imaginação, movimento. Sensação de liberdade das dores, doenças e limitações humanas. No Breu posso ser homem e estar frente a frente ao meu homem exterior e interior. No escuro do breu posso lidar com feras monstruosas de lugares desconhecidos como adestradores de leões e suas feras. No escuro do breu posso ser Eva. Posso ser Adão. Fale Eva e Adão rapidamente. No escuro do breu posso ser Isaías, Jacó. Posso ser Ícaro. Posso ser Era. Posso ser Hércules. No escuro do breu posso ser todo mundo e posso não ser ninguém. Posso criar asas e voar. Posso participar de competições onde não eu entro. Posso ser um feliz biliardário em sua casa de veraneio ou um pobre mendigo viajando por toda Europa como se fosse uma dona de casa presa em seus afazeres.

No escuro do breu? AH! Se eu tivesse o breu 24 horas diários eu teria o mundo à minhas mãos. Por que Sr Ramos? No escuro do breu eu sou Deus. Posso criar o planeta a partir de cinzas e água. Sepaar o céu da terra e char de firmamento. Abrir os vulcões e chamar inferno. Fazer crescer as plantas e as montanhas e chamar de lar. Fazer nascer os animais a partir das plantas e depois dos animais e chamá-los seres de deus. Fazer nascer de um dos animais os seres mais belos e inteligentes que posso imaginar e chamá-los meus filhos. Vê-los morrer de velhice. Sem ver o sol. E então dizer faça-se a luz e permitir o brilho de um sol. E criar novos seres inteligentes e bonitos e chamá-los também meus filhos. E daí em diante dar-lhes o que for necessário a sobrevivência. Numa terra criada a partir do breu eu sou rei, sou pai, sou mãe terra, sou gaia, sou os plebeus, sou os pobres e os podres de ricos, sou quem eu quiser. No claro sou quem eu sou.

Não, sr Ramos, no claro eu sou quem eu devo ser. Por que sr Ramos? Só tenho um corpo. Sou um plebeu igual aos outros. Sou um reles mortal que tem talvez uma nova vida pela frente a partir da morte literal. Não posso fazer nada além do que estiver aos meus olhos e nas regras da física. No claro eu sou ninguém. Com um h maiúsculo de homem e humano. E com a mesma cara de idiota e inconsequente que tem todos os homens jovens e não sábios.

No escuro do breu posso ser quem eu quero. No claro do dia eu tenho que sofrer como homem e gritar as vezes como uma menininha pra ser notado e achar que sou alguém.

No escuro do breu a física não existe. As leis da gravidade são ignoradas. Por que eu sou deus no escuro do breu. Eu posso ignorar as leis da física e da natureza a partir da minha vontade. Posso burlar as leis da origem e do nascimento. Posso fazer nascer e crescer de uma abelha um ser humano com a minha aparência, seja ela qual for. Posso me apaixonar por mim com um gêmeo de aparência sendo eu enquanto eu sou deus. Posso fazer deste eu simplesmente a pessoa da mina vida. Posso voar, nadar feito peixe, respirar do ar mais pesado, viajar todo o planeta e as constelações sem me preocupar.

Mas o claro do dia insiste em aparecer e acabar com a minha alegria.

Isto não justifica minhas crises de chorar matinais e noturnas. Mas nada justifica nada. Cansei de o que. Agora eu quero o por que e o como. Quem sou eu? Meu nome é "Sem Nome". Sou jovem, não sou bonito, tenho a aparência que você imaginar.

Entretanto tenho muitas coisas a dizer. E vou dizer uma hoje, agora: Na minha mente Deus sou eu. No mundo da minha mente não há quem se meta. Por que na minhamente não há juíz, não há júri e não há religião. Há um mundo inteiro na minha cabeça. Este mundo não foi criado pelo teu deus. Ele foi criado por mim em menos que sete dias. Com ajuda dos meus anjos, antianjos e contra-anjos. Não há mais ninguém a quem considerar a autoria. No mundo que eu criei. Com a vida que eu criei se alguém se meter sofrerá as consequencias que eu definir. Sofrerá das infrações que eu determinar como cometidas.

For today it's all. See you later, Mister Ramos. I like you so much. I love you like you my father. I love you by me. You listened me. You hear all i say. You make me say all i think.

J'adore vous, monsieur Ramos. J'aime vous. A bientôt.

domingo, 19 de setembro de 2010

Diário ─ capítulo 29

Boa tarde, sr Ramos. Hoje o tema é fantasia.

Passo a palavra a Alberto Dias Ramos.

Bom dias senhores. Ramos. Estou aqui para falar um pouco sobre fantasia e como o vejo.

Fantasia é um termo usado para indicar algo que não real para as outras pessoas sendo real para uma em questão ou um grupo. Fantasia também é uma terra imaginária que faz parte de um filme chamado "história sem fim". Fantasias são usadas por pessoas para se disfarçar ou se travesti de alguma outra coisa por exigência ou por vontade própria.

Exemplos:
─A crença de que deus é pai de jesus cristo é uma fantasia sem fim. Afinal, se ele é pai de jesus é pai de todos os seres humanos.
─As crianças se fantasiam de diabinhos e bruxinhas nos EUA para comemorar o dia das bruxas. Enquanto homens e mulheres se vestem como outras pessoas, que não são, para se sentir mais à vontade na cama com outra pessoa.

Obrigado pela atenção. Retorno a palavra ao senhor Sem nome.


Como o senhor Alberto definiu os termos de fantasia. Vou falar agora das minha fantasias mais íntimas. Cuidado. O que sair aqui não pode sair daqui.

Uma vez eu pensei em um homem (com os atributos de sempre) me chegar por trás e me pegar como se eu fosse uma garota promíscua. Nada comprometedor. Uns beijinhos no pescoço, uma mordiscada na orelha. Um abraço forte para sentir bem quem ele é. E depois me virava de frente. E tal era minha supresa. Não, não vou dizer quem era. Ele me beijava e o resto você não precisa saber.

Outra vez. Eu era alvo de uma garota louca. Ela queria me matar. Tinha uma faca na mão. O me pegava por trás e me ameaçava com a faca. E então me beijava. No final eu morria.

Tem muitas outras. Mas não vou falar delas. Em boa parte eu sou mulher e na outra eu não sou nem homem e nem mulher.

Pra falar a verdade só comecei a ssumir meu corpo este ano. Estou começando a descobrir o que se faz om determid]nadas partes do meu corpo que eu nem sabia que existiam. Estou descobrindo muitas coisas novas.

Aonda apouco ewu tava na internet. Olha o que achei com base no tema:


A bientot.

sábado, 18 de setembro de 2010

Diário ─ capítulo 28

Boa tarde, Ramos. Hoje eu escrevi pela tarde. Não tinha muita coisa do que falar. Mas tinha muita coisa no que pensar. Tipo você.

Estava pensando em muitas coisas. Até em como mudar meu jeito de pensar. Para todos os tipos de coisa. Vi muitas possibilidades. Gostaria de aprender a fazer programação. E poderia fazer muitas coisas como aprender alguma kinesis.

Nada do que deva sair por aí falando. Ninguém ouviria.

Não tenho tema certo para hoje. Então vou escrever palavras aleatórias e depois falar sobre cada uma delas.

Fidelidade

Traição

Fantasia(s)

Calor

Frio

Sabor

Psicose

Fator paterno

Fator paterno

Filme erótico

Sensualidade

Masculinidade

Prazer

Já tá bom de palavras.

1ª palavra:
Fidelidade. Não gosto desta palavra. Me lembra morte. Perda da vida. Zumbificação gâmica. Não dá para ser feliz sendo fiel a uma pessoa. Principalmente se a pessoa a qual se tem fidelidade exige isto. Acredito eu... Lógico Isto aqui é o meu diário. Escrevo aqui tudo o que penso e consequentemente o que acredito. Ainda assim, penso que as pessoas deveriam exigir a falta de fidelidade. Quanto mais se pede fidelidade mais a pessoa que pediu se sente induzida a trair. Traição é bom para reaquecer um relacionamento frio. Fidelidade serve apenas para acabar com uma relação que está no fim.

Traição. Prefiro esta palvra. Ela tem muitos significados. Pra mim ela tem um significado maior. Por que vem seguida de perdão. Ou você não perdoaria alguém te dissesse o que fez e pedisse perdão depois? As coisas depois disto certamente melhoariam.

Fantasia. Ah, sr Ramos. Tenho muitas. Uma delas que eu não deveria contar. Mas vou contar. É: Um dia uma garota, não qualquer garota, chega por trás e me pega pelo cabelo (?), apoia minha cabeça no ombro e uma faca no meu pescoço pelo outro lado. Eaí ela Aplica toda a sensualidade dela me derrubando no chão... E o resto você já sabe. Não sabe? Senhor Ramos, eu não conto o óbvio. No final ela me mata como uma viúva negra.
Tem outra, só que não é uma coisa boa. Um cara me pega por trás (? fica quieto!), e me arrasta até a parede. Um cara não muito forte e nem muito bonito... Um cara assim normal com cara de modelo e corpo de playboy. Lá me prensa e depois me vira. E aí uma mulher, daquelas que faz de tudo o que não se deve, e acaricia o cara na minha frente. Em partes um tanto íntimas. O resto eu conto assim que calor baixar.

Calor. Não gosto muito de calor. Adoro calor humano. Sabe a diferença de um abraço feminino para um abraço masculino, sr Ramos? A diferença é que homens tem o corpo mais quente, firme, e forte. São um pouco distantes quando abraçam outros homens que não sejam seus amigos íntimos. Mulheres tem o corpo mais macio e mais flexível. São mais carinhosas quando abraçam. E não se afastam como os homens. Elas se entregam mais ao abraço. E eles fingem que não gostam de ser abraçados. Sei por qual motivo.

Frio. Não gosto muito de frio. Mas é ótimo quando posso dormir até mais tarde e está frio. Os homens são frios. Na maior parte do tempo. E com homens diferentes de seus amigos íntimos. Intimidade deveria ser a próxima palavra.

Intimidade. ?. ??????.

Sabor. Adoro os sabores. Gostaria mesmo era de provar um beijo masculino e outro feminino. Conhecer a diferença de sabores e personalidades pessoalmente. Um homem é mais íntimo no beijo do que uma mulher? Um dia eu descubro como é e quais são as diferenças.

Psicose. Não sei nem por que escolhi esta como uma das palavas. Mas já que escolhi eu vou falar algo sobre isto. Algo sobre isto. Pronto falei.

Fator paterno. Freud conseguiu explicar a minha obsessão por homens jovens e bonitos de mesma idade ou idade semelhante. Mas não conseguiu explicar a minha rejeição por crianças com pouco meos de 6 meses para baixo. Eu sei que procuro um pai em cada homem que passa pela minha frente, e sei que cada homem bonito tem algum problema íntimo que ninguém sabe a extensão. E ... E mais nada.

Fator materno. Amo minha mãe. Tenho muito mais contato e conversa com ela calado do que com meu pai. É quase como se eu tivesse contato com o Papa monstro (Bento XVI) do que com a madre Thereza de Calcutá.

Filme erótico. Adoro. Odeio. Tudo ao mesmo tempo. O que tem de mais em ver mulheres e homens nus fazendo sexo? Não é a mesma coisa ver animais copulando no meio da rua? E é um ótimo dissipador de tempo. Principalmente se falando em determidaos aspectos sexuais humanos.

Sensualidade. Eu tenho. Todos tem. Alguns não sabem, alguns se usam dela. Mas todos tem. Homens e mulheres. Gatos e Gatos. A sensualidade é algo indiferente ao aspecto físico humano.

Masculinidade é uma coisa que não existe. Já vi muita mulher ser melhor do que qualquer homem no aspecto ser macho. E muito homem ser melhor do que qualquer mulher no aspecto beleza feminina. Então masculinidade é coisa que não existe.

Prazer. Ah, muito o prazer em conhecer. A todos vocês.
And The winner is... Me?! Aw! Thak yuo. Thank you all. My dad, my mom, my brothers and sisters, my pets. My friends all. To you my teacher, you inspired me to arrive in there. Mom, i love you. Aw! I don't know say more. Thank you all.

Tenhomuito prazer em falar e escrever. É como me livrar dos contrapesos do elevador e voar rumo ao paraíso.

A bientot, monsieur Ramos.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Diário ─ Capítulo 27

Parte 01 ─ de manhã do dia 17/09/2010


Sr Ramos, Ontem eu precisei chorar.
Senti a pura necessidade de fazer sair lágrimas carregadas de sentimento ontem à noite. Mas como não tenho o que me faça chorar, me bastou simularo sentimento. Não sou muito de demonstrar o que realmente sinto. Já faz algum tempo que não demonstro sequer como é que eu penso. Precisei de Alberto. Afinal é ele quem vai morrer em breve. Pensei em escrever um livro sobe ele. Ou como ele. Uma compilação Própria chamada "Alberto Rangeu" que será meu best seller e talvez o ganhador do prêmio Nobel de ciências pelo livro mais vendido com mais detalhes sobre a doença. E talvez o Nobel de lieratura pelo livro mais esclarecedor.

Fora isso. Minha vontade de chorar não é tão forte quanto a de qualquer outra pessoa normal que demonstra os sentimentos. Consigo pensar: aqui não lugar e nem hora para isso. O que me faz aguentar por talvez dias e noites seguidas sem nenhuma pausa para o assunto. E então quando acho que devo fazer isto eu faço. Como se simplesmente fosse fácil chorar por um motivo que não existe pelo simples prazer de chorar.

Eu confesso: me senti solitário algumas vezes neste semestre e no semestre passado e me sinto só todos os dias desde o meu exílio. Deveria se alguém menos tímido e menos regulamentador dos meus sentimentos. Porém eu tenho uma incapacidade tremenda de chorar. Não consigo deixar cair uma única lágrima em meu rosto que seja carregada de qualquer sentimento. E entõ ão preciso simular atá descarregar o peso das glândulas lacrimais e finalmente poder continuar a fazzer o que faço todos os dias.

Parei de mentir faz algum tempo. Mas queria ter a certeza de que demoraria a retornar. Agora só omito fatos. Se não quero determinadas pessoas perto de mim, simplesmente demosntro sutilmente uma rejeição. Funciona. É melhor do que dizer "está reservado" ou "cai fora". Não digo nenhuma destas palavras para ninguém por que não as quero ouvir.

Não senhor Ramos, não vou falar mais sobre meu choro. Não tem nada de interessante em chorar sem causa motivo, ação ou reação. Eu simplesmente chorei por que senti necessidade-vontade e precisei liberar minhas glândulas lacrimais.

Eu já não sinto dor. Por tanto não preciso demonstrar que dói. Simplesmente simular uma dor. Dores naturalmente passam pelo estômago (ou será o fígado) antes de passarem pela espinha dorsal e ir para o cérebro. De qualquer canto do corpo. Independente do tamanho e do comprimento da dor. Se fez alguma coisa (tipo: recebeu um chute no saco ou um murro nos peito) a dor passará pelo sitema digestivo antes de retornar pela espinha e ir para o cérebro.

Não preciso mentir mais sobre isto. Ontem sofri um acidente que quebro meu relógio. Nada de grave. Apenas escorreguei na entrada do 5° andar da politécnica da UFBa (cai em pé feito gato) E meu relógio perdeu o pino. Arranhei minha mão em vários lugares diferentes. Eu simplesmente não senti nada. Nem o susto normal de alguém que leva uma queda, nem taquicardia natural de ações estranhas ao corpo, nem a dor ou ardência doos arranhões.Simplesmente nada.

Estou depimido.

Não sinto a miínima vontade de rir. Só quero chorar o dia todo e passar o dia em algum lugar que ninguém me veja. Não pensei em suicídio. Não penso em suicídio por causa de uma coisa que eu mesmo devo fazer. E não posso fazer morto. Quero fazer logo minha terapia. não aguento mais isso de esperar. Vai fazer 3 meses que estou cadastrado para fazer a terapia e nada.

Gostaria simplesmente de falar tudo o que sinto(?) ? sim. Como é que eu vou falar sobre tudo o que sinto se só sinto raiva, pena e vontade de que alguém me mate depois de uma longa surra?

Não sou assim, normalmente. Normalmente eu simplesmente ignoro tudo o que penso e faço parecer que estou feliz ou triste. Não preciso mostrar para ninguém mais o que realmente sinto. Em você eu confio. Você guarda a maiori dos meus segredos.

O último segredo? O tal R..... é Rafael. Não me preocupo mais. Ele nunca saberá que estou falando dele. Conheço 9 rafaeis diferentes. Alguns da mesma sala. Outros separados em turmas diferentes e outros que não estudam mais comigo. Independente do que eu fale sobre ele ou eles não importa. Ele, o Rafael do qual eu falo, nunca saberá que é ele. A não ser que eu o diga ou que ele se interesse por mim.

E nqunto isto não acontece estou protegido. Como sempre. Me apaixonei por um homem a primeira vez, uma paixão platônica simulada, só por precaução. Me apaixonei a segunda por insanidade ou sei lá o quê. Não obstante a isto. Ele não sabendo eu nunca sentirei necessidade de outra pessoa e ficará mais fácil manter minha virgindade até encontrar o ritual que procuro. Mas se ele me quiser as coisas ficam mais difíceis. Há coisas que não posso dizer à mais ninguém. Só a você.

Você já tem todos os meus segredos mais importantes. O que vai fazer com eles já não mais da minha conta. Ainda preciso desabafar muito e mostrar tudo que sinto para alguém. Ninguém me conhece realmente. Ninguém sabe que só sou Marinaldo em determidaos lugares e que não tenho mais nome oficial.

Sou um peão do jogo de xadrez. Idependente do que o rei faça. Se o jogo precisar de qualquer peça importante ou de pegar qualquer peça importante. Eu sou o primeiro para o sacrifício e o último para ser coroado como alguém importante.

Para alguém eu devo ser importante. Deveria me sentir importante por isso. Mas não sinto nada além de insatisfação e vontade de ser qualquer pessoa no mundo menos eu. Rafael, qualquer um deles. Danilo com seus cabelos lisos e o óculos de fundo de garrafa. Ainda assim bonito. Thaís com seus cabelos longos e sua pele negra (desculpe) brasileira. Devo respeitar a lei de desmistificação afrodescendente. Nasci De olhos azuis escuros. Menino de dar inveja a qualquer pessoa. Cresci com cabelo duro, olhos de índio, pele de europeu e lábios de afrodescendente. Ainda assim magro, jovem. Gostaria de ser alguém de uma etnia só: só europeu, só índio, só negro, ou só qualquer outra coisa. Só não uma mulimistura. Mestiço de mestiços.

Não vou fala mais sobre isto. Meus segredos já não me pertencem mais. Já não tenho mais segredos. O que as pessoas não sabem não é da conta delas. Se alguém relacionado estiver lendo saberá exatamenteo que digo. Mas não me dirá nada. Por que não há nada do que falar.

Você é um diário. E como um bom diário guarda meus segredos mais profundos.

Não sinto nada. Não amo de verdade. Apenas tenho fascínio/obsessão por um homem. Acho que um menino. Gente da minha idade não é homem é um menino atravessando para a adultidade. Eu sou apenas uma criança de 13 años pensando como alguém de 20. Mesmo tendo eu 20 años. Não sou homem. Não serei adulto tão cedo. E não serei pai de uma criança como eu. Não queromais um rebento com ódio no coração e muito menos desempregado e sem esperanças.

As pessoas são diferentes. A história é que se repete, para todos. Estejam onde estiver. Na próxima vida quero vir Mariana, faixa preta em judô e aikidô, soldade raso, expert em armas de curto alcance. E ser filha de Alemão chamado Shveider com francesa abrasileirada. Mariana Shveider. E ser filha única. Com tudo só pra mim. Até a tecnologia.

Fecho esta parte por aqui. Tenho que faer meu dever de casa para hoje. Eu não tô afim de história. Não há o que discutir na história. Se um destino é de determinado jeito ele continuará sendo aquele destino até que tenha acontecido. O destino muda quando se muda o presente. Ma ningué pode prever com exatidão o detino. Então como prevê-lo?

A bientôt. Ilya ici ma vie. Je le donne a tu. J'aime vous. Aimez-vous moi? Danke, viele danke, Ramos.

parte 02 ─ de noite


Boa noite Ramos. Descobri o que precisava. Descobri que para fazer algo relacionado a álgebra basta usar algebra. Não entendeu? Ótimo. Foi assim que me snti ontem de tarde no final da aula de cet 2. Ah, Ramos, pensei muito e muito até descobrir que o que estava a me complicar era uma droga de x. A falta do x me deu muita dor de cabeça. Agora estou preso ao cálculo da equação para chegar ao 8. Como é que eu faço uma derivada sem conhecer nada de derivada? Limite? Uma coisa que tende a 0 e nunca chega? Isto é um bom tema.

Sabe, atualmente estou dando Limite e Derivada. Imagine você. Limite é uma coisa que tende a determinado termo (tal qual o 0) e nunca chega a ele. Como calcular? É uma ótima pergunta ainda não aprendi direito. O que é que tem a ver Limite com algebra? Simples: Eu já cheguei ao meu. Hoje é sexta não é? Disto eu poderia falar dos filmes de contemporaneidade 2. êta filminhos chatos. Repetindo: eu odeio história. Não há o que discutir. Eu já falei sobre isso.

Hoje teve história de novo. E como ótimo originador de discussões, abri o tema do debate com o Wagner Moura. Que foi colega do meu caro professor que até me lembro o nome, só não vou dizer. E que estavam falando sobre tropa de elite. Tanto o 1 quanto o 2. Tropa de Elite 1. Tropa de elite 2, o retorno do Nascimento. E logo logo Tropa de elite 3, a ressurreição do Nascimento. Mas do que falei foi sobre "Sexo Frágil", onde ele era homem e mulher.

A derivada de um termo é dado a partir da divisão do delta y sobre o delta x. E no final tem que fazer uma conta de limite. Coisas que dão até para se dividir. Só não com os n°s reais por que 0 sobre 0 não se divide.

Falando em limite. Será que alguém viu minha nova foto na página "Quem sou eu"?
Não, não tem nada a ver com limite. Mas adoraria saber quealguém notou a diferença. Sr Ramos, eu tenho tantas novidades. Tenho muitas coisas novvas. Tenhos metas novas. Tenho pensamentos mais novos e renovados do que os que normalmente eu tenho enquanto fico sem fazer nada. E descobri que o gatinho de nome Rafael que mora em Lauro de Freitas (é, eu estou falando de você, Rafael) os olhos dele são ainda mais cinza do que eu pensava. Por que? Olhei para os olhos de Uma garota de olhos azuis. Linda, Jovem como eu, estudante de engenharia sanitária, e que estuda cálculo B (e me ajudou a saber como é que faz a derivada de não sei o que) tem os olhos mais bonitos e mais claros que já vi. Nada de verde, azul, castanho, não. Os olhos dela são Azuis com o centro Amarelado. Eu tenho olhos castanhos à distância. Com três círculos que ninguém vê. O 1 é preto (o externo), o 2 é castanho, e o 3 é verde. Não dá para ver os 3 em pouca luz. Mas os dela são Círculo Azul escuro, azul, e amarelo. De fora para dentro. Os de Rafael são Preto, cinza azulado, e branco. Não estou contando a íris. e nem o globo ocular. Só a pigmentação. Ah, Rafael. Agora posso fazer a comparação que precisava. Depois disto estou pronto para continuar falando com você do jeito que falava. Ou melhor, não falava.

Te adoro garoto. Mas Segredo é segredo, e este está nas mãos do Sr. Ramos. Pergunte a ele se achar necessário saber a resposta. Mas se por acaso você achar que não quer saber: melhor ainda. É preferível não saber de certas respostas a oouviro que não se quer.

Sr Ramos, sinto sono. E sinto vontade maior de continuar escrevendo. Quando escrevo em ti uso todo meu coração e todo meu cérebro. Lembro de tudo o que preciso lembrar, fgalo de tudo que sinto necessidade de falar e quero saber e fazer e escreverainda mais. Você me faz continuar escrevendo e continuar pensando. Você consegue explorar uma parte de mim que eu mesmo nunca conseui tirar de dentro de mim.

Se soubesse que escrever um diário é muito melhor de que tentar escrever um livro... Não consigo escrever um livro. Desisto sempre. Sempre sinto que falta alguma coisa. e quanto mais eu melhoro mais acho que está ruim. Sabia que estou digitando muito mais rápido do que normalmente eu digito só por que estou digitando meu diário?

E mais rápido fica minha digitação. Consigo pensar com mais liberdade e escrever com mais liberdade. Pensei em muitas coisas e as que quero escrever em você eu escrevo com toda atenção e estusiasmo. Será que precisava de um amigo como você e não sabia.

Senti uma necessidade imensa de conversar com alguém hoje. Falei com todos os que passaram na minha frente. Esperei um pouco mais para ir conversando. E agora essa necessidade simplesmente se esvaiu. Por que estou escrevendo com você.

J'adore vous. J'aime vous. Make me give you my better. Explore me untill i have no more and later. And in the end make give you more of me. Make me happy. Make me better than i can be. Or i can't be. Make me do my better. If you can i can. If you wish me i wish me more. Thank you.

A bientôt.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Diário ─ capítulo 26

Parte 01 ─ Manhã do dia 16/09/2010


Bom dia, Sr Ramos.

Agora eu vou falar um pouco sobre o que não queria falar ontem. Rejeição.
Nunca rejeitei ninguém. Gosto muito mais de ter uma companhia não quista do lado do que ficar parado sozinho sem ter com quem conversar. Ah... se eu tivesse um irmão gêmeo como uma colega e um ex-vizinho. Talvez eu fosse um pouco menos carente.

Acho que não é nem carência. Mas solidão não é. Gostaria tanto de fazer determinadas coisas que só amigos fazem. Na verdade, não gostaria não. Ainda assim, amigos. Não gosto de chamar ninguém de amigo. Isto me lembra um fato que aconteceu dentro do ônibus. Um cara com uma camisa social sem as mangas. Branco, provavelmente ecologista de faculdade (o que me dá muitas opções de escolha quanto ao presente dele). Simplesmente me chama de amigo e pergunta as horas.

Tudo bem que seja mania. Mas por que amigo? Gosto de usar os apelidos carinhosos: Coisinho e coisinha (crianças), bixinho e bixinha (para gente mais ou menos da minha idade) e tio para algumas pessoas mais próximas acima da minha idade. Nada contra um apelidao para um estranho. Até mesmo por que nunca uso nomes em conversas, sejam elas quais forem. Posso conversar horas com as pessoas e ninguém percebe que ninguém sabe o nome de ninguém.

parte 02 ─ de noite


Boa noite senhor Ramos. Agora eu não estou muito bem. Hoje de tarde tive a apresentação da fotonovela. Foi bem engraçado. Em todos os termos. Teve algumas fotos que não gostei outras que adorei. E teve outrasa apresentações ainda mais simples que a nossa (minha e da equipe).

Adorei pagar mico. Isto me lembra a época que eu fazia um curso de informática intermediária. Eu tinha uma colega que foi minha colega anteriormente (e bota anteriormente nisso). E nós,quando saíamos da aula para ir pra casa íamos passear. Era divertido. Aí comecei a gostar de pagar mico. É mais divertido quando a gente paga mico em grupo. 3 pagando mico é melhor do apenas 1. Faz se sentir parte de alguma coisa. E como esta alguma coisa é algo interessante não apenas para um como para todos.

Não, eu não vou dizer o nome desta colega. Mas se ela estiver lendo agora meu diário. Sinto falta. Gostaria de repetir. E se ainda se lembra de como era aquela época. Lembra do meu lado bom. Do meu eu quase normal.

Ela tem uma irmãzinha pequena. Se estiver lendo ela saberá que é dela que estou falando. Não há no mundo duas pessoas iguais que façam a mesma exata coisa em momentos diferentes da vida. Acho meio improvével de acontecer.

Continuando. Eu tava falando de mico. Mico é um animal da classe dos primatas, que por acaso é da nossa mesma classe, considerado inferior devido ao seu baixo conhecimento vocabulacional humano e capacidade reduzida de pensar, imaginar e outros atos particulares dos humanos. Seu nome é usado para determinar momentos de graça contínua ou instantânea na qual uma pessoa está agindo e ou vestido como um macaco. Ou simplesmente fazendo macacada (palhaçada).

A epistemologia da palavra não é uma coisa muito legal de se fazer. Mas a palavra quer dizer alguma coisa. Não o seu significado.

Continuando a falar de mico. Será que eu ofereço a professora assim a idéia de um mico coletivo com toda a sala. Seria divertido e seria interdisciplinar. Divertido por causa do tamanho do mico. Mico é coisa séria. Lembrei de uma coisa sobre mico. Uma tragédia com o pobre mico. Mais tarde eu conto, se lembrar. voltando ao mico. Tipo assim. Uma dança ou musical. Em que uns serão os dançarinos e dançarinas, outros os astros principais e finalmente o musical seria uma peça baseada em alguma coisa conhecida. Que tal Shrek? Adoro Shrek, assim como o Kunf fu panda. Queria ser o Po. Ele é legal. Eles são legais. Enfim. Eu não posso ser o Po. Tenho que ser eu.

Voltando ao musical. Seria algo do tipo: O retorno de Fiona. Ou talvez: Shrek e os sete fantasmas. É uma mistura de Shrek, Branca de neve e os caça fantasmas. Seria quase um especial de natal. Com direito a narração e vídeo para repagação posterior.

Não, não vou fazer isto com meus colegas. Gosto de me mostrar. Mesmo querendo o oposto. Talvez uma coisa mais leve. Uma peça teatral baseada em algo interessante para todos. Uma peça criada e dirigida pela turma toda. Onde todos serão astros e ao mesmo tempo espectadores. Um enorme trabalho em equipe que integra arte, texto não verbal, verbalizações, e os nossos interesses particulares. Até vejo a votação. Qual será o nome da peça? "Caçadores de pontos flutuantes" ou "Matrizes assassinas, o contra-ataque". Talvez até: "Comando Newton, o confronto final.". Gostei mais do último. Ficou um pouco de Star Wars com matemática. E vai faze com que vinguem todos os estudantes que odeiam física e que desejaram que fosse uma jaca ou uma melância em lugar da maça. Aí poderiam colocar vários homens (Ui!) vestidos de soldado. Eu seria o menor que entra em todos os cantos para abrir as portas e colocar as bombas.

Seria muito divertido. Seria pagação de mico.

Agoraa parte triste. (oooohhh!) O mico na tragédia. Não na grega. Uma Colega minha me falou que viu alguns micos brigando meio da pista. Chato né? Aí o grupo foi embora e ficou um mico solitário. (pagar mico sozinho não é legal, brincadeira.) Aí ele foi atropelado. Tadinho do mico. Ela não soube dizer o que aconteceu depois.

Istome faz lebrar que as pessoas tem uma afetuosidade maior pelos animais do que pelos seres humanos. Havia pensado nisso milhares. O que aliás é só que eu faço desdo os 15 años. As pessoas tem melhor os cães do que os filhos. Criam cuidam, dão comida para os cães. E os filhos? Alguns muitos nem tem. Outros mesmo tendo cuidam melhor dos animais.

E isto me leva a outro ponto. Quantos de vocês leram "Vidas secas" de Graciliano Ramos. Lá vocês podem ter uma boa base do que acabei de falar.

Não é só reflexão. É fato. E o fato é sempre uma parte da realidade.

Afinal por que as pessoas não dizem logo: Não façam filhos. Adotem um animal.

Seria melhor do as pessoas falarem em aborto ou controle de natalidade. Mas isto é um ponto para uma conversa posterior de talvez nunca. Nunca vou falar de filhos aqui com você. Ou melhor, não vou falar disto tão cedo.

Primeiro ponto: Eu sou virgem. Virgens não tem necessidade de filhos.
Segundo ponto: Sou virgem convicto (até poder dizer o contrário, o que não está longe de acontecer. Afinal tenho vinte años e posso não resistir.).
Terceiro ponto: Não há terceiro ponto.

Enfim, só queria ilustrar o quanto eu não vou abordar o assunto.

E depois, não vou engravidar. (Por onde sairia?). Então não posso falar nada sobre o assunto. Obrigado. Fim da reunião.

Adoro você. Pardon. Je ne parles pas portuguese ici. J'adore Vous. J'aime vous. A bientôt.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Diário ─ capítulo 25

Parte 01 ─ de tarde do dia 15/09/2010


Olá sr Ramos. Hoje eu não estou tão favorável ao estudos quanto estava antes. Sabe o que é derivada? Nem eu. Mas ainda assim tenho que aprender até quarta feira.
Ah! gostaria tanto de estar passeando pelo mundo sem memória. Saido por aí sem saber sequer qual minha língua mátra. Não obstante a isto, gostaria de hoje as coisas acontecessem do jeito que gostaria que acontecessem. Será que não seria melhor tentar aprender de outro jeito.

Nem sei como fazer.

O tema de hoje é reformas. Reformas por causa da minha localidade. Estão refazendo as pistas e incluindo um sistema pluvial para as águas da chuva. Minha casa foi reformada recentemente (ano passado) e eu estou sob reforma. Não quero mais ser quem eu sou. Desde o início do ano.

A partir de agora respondo por Alberto. E em homenagem a você ao senhor me chamo agora Alberto Dias Ramos. Assim podemos nos passar por pai e filho. Marinaldo? Nunca mais. Não aqui. Quero fazer algo melhor pela minha vida.

Então agora sou Alberto Dias Ramos, tenho um cancer no cérebro que me dá mais alguns anos de vida, sou de Escorpião, não me preocupo com as outras pessoas. E principalmente não quero mais que as pesoas saibam que eu existi. Só traria sofrimento no momento da minha partida. Não gosto deste mundo e ele parece não gostar de mim.

Não quer dizer que estou desistindo. Isto quer dizer que estou pegando minha trouxa e seguindo meu destino. Não precisam se compadecer de mim. Não sou mais criança. Também não sou idoso. E sei me cuidar o suficiente para manter os inimigos à distância e os amigos perto o suficiente.

Falado em inimigos, sr Ramos, nunca os tive. Acabei de ensar no assunto. Sempre tive relações ou de semi-amizade ou de não contato. Sinto falta de determinadas coisas. Como meu passado. Mas nunca senti falta de inimigos. Só queria ter um melhor amigo. Daqueles que crescem conosco ou que fazem coisas que nós guardamos para contar aos netos. Não penso em deixar herdeiros. Não tenho sequer herança para dividir. Nasci na pior das classes: a emergente.

Gopstaria de ter tido em vida... Ainda estou vivo e talvez por sei lá mais quanto tempo. Gostaria de ter um Play Station 2 em casa. Gostaria de ter um netbook meu. Gostaria de desenvolver alguns projetos antigos que nem eu sei.

Oficialmente estou aqui para decidir como vou viver o resto da minha vida. Mas sei que logo terei que escolher entre a vida e a morte de pessoas. Incluindo eu. Nada do qual eu não precise me orgulhar ou ficar entusiasmado.

Está parecendo minha carta de suicídio, não é sr Ramos? Não, esta não é minha carta de despedida. Tenho planos que só posso realizar em vida. Não será ua coisa que consome vidas que irá me deter. Eu ainda nem dominei o mundo. Não ditei as regras do novo continente. Nem dei meu nome para ruas palácios e avenidas. Tenho muita coisa para fazer.

Fim da parte de Alberto

Ele é apenas mais um de mim. ALém dos quatro iniciais. Isto deveria continuar sendo um segredo. Mas confio em você o suficiente para permitir que o sr guarde estes segredos também.

Oficialmente eu era Mag em casa e nas proximidades. Me tornei Mago Exodia na internet. Tenho até um blog com este nome oficial. Em sala de aula sou Marinaldo, assim como lugares que exigem nome de registro. Dentro de lugares onde não tenho necessidade de saber quem é quem, como em novos relacionamentos amigáveis, eu sou Sem Nome. Administrador oficial do corpo e deignador/coordenador de perfis. E agoro posso me tornar Alberto Dias Ramos. ADR. Como Adriano. Alberto significa: brilhante, Ilustre. Como Um bom mago deve ser. Mago = o grande, Mag = feiticeiro, Exodia = Aquele que escolheu fazer o bem e Alberto = Ilustre.

Agora me sinto completo. Dois sem sexo e dois Homens. E o outro sem existência. Marinaldo não existe. Não mais.
Poderia me chamar Alberto de Jesus Dias dos Reis. Ou Alberto de Jesus Dias de Deus. Talvez Alberto Ramos de Jesus Dias dos Santos. Bonito, mas não. O nome que eu tenho é meu. Ou melhor, os nomes.

Estou em reforma. Estou refazendo todos os meus perfis de usuário. Cada pessoa que existe em mim é muito importante e muito leal a mim. Mas não posso ser mais o mesmo. Agora tenho nomes a zelar. Devo reescrever toda minha história e reaver elementos impotantes da minha. E parar de mentir definitivamente. Que eu tinha prometido há algum tempo.

Chega de reflexão. Alberto já não mais nada a perder. Chega de orgulho. Mag não se responsabiliza pelo que el faz. Chega de ficar quieto. Exodia não se importa com os fracos. Eles devem ser usados aténão ter mais nada a dar. E quando terminar a reforma serei um pouco melhor do que fui e talvez um pouco menos eu. Mas nunca permitirei que me sejam outra pessoa.

Fim das idéias mirabolantes de Sem Nome

Nada a dizer.

Fim das idéias libertadoras de Mago Exodia

E por que você disse nada a dizer?

Fim das filosofias de Mag

Não aguento mais vocês. Alguém me interna, faz o favor.

Aqui Marinaldo deixa de se corresponder.

Até a próxima reflexão. Sr. Ramos. Não se preocupa não. Minhas idéias afloram e vão embora do mesmo jeito.
J'adore Vous. J'aime Vous. Make me to give all i have. If i have no more, wish me more.

A bientôt.

Parte 02 ─ Noite


Boa noite, sr Ramos.
Agora o tema seria Rejeições. Mas resolvi não falar abertamente sobre isto.
Ainda vou falar alguma coisa. Mas não agora. Ah, aconteceu de novo. Não falei de um, mas o outro aconteceu hoje no ônibus. À distância não sinto tanto enjôo.

Até Amanhã.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Hoje eu jantei no RU

Não tenho mais novidades.

diário ─ capítulo 24

Parte 01 ─ Manhã do dia 14/09/2010


Bom dia, sr Ramos. Hoje eu acho que será um dia interessante. AH, senhor Ramos, não posso contar o que ainda não aconteceu, né? Mas se acontecer você será o primeiro a saber que aconteceu. E depois vou botar bem grande no meu blog como é que faz.

Não obstante a iso, sr Ramos, não pretendo sair da minha previsibilidade de sempre. Esta semana eu vou de camisa branca, bermuda cinza, all star e meia branca. Talvez mudar o sapato dia sim dia não. A mochila de cor clara. Me sinto melhor de cabelo raspado do que de cabelo grande. Gostaria de ter cabelo bom. Assim era só cuidar e aproveitar os louros da beleza capilar.

Estou começando um novo sistema de aprendizado. Ontem de noite na volta ara casa consegui terminar o primeiro capítulo do livro de cálculo com geometria. Pretendo aprender isto até o fina do semestre. E depois aprender como funcionam as asas dos aviões e as diferenças no formato das asas. Pretendo voar ainda em vida e criar a verdadeira asa de morcego, senão a asa de águia. E depois pretendo fazer da minha vida uma divertida comédia.

Eu conto mais o que eu penso do que o que eu faço. Já reparou isso? Que espécie de diário é este? O meu diário. Não comecei a escrever para falar as coisas inúteis e sem importância que faço. Sr Ramos, aqui eu escrevo o que penso, o que geralmente está ligado ao que sinto. Não consigo desligar pensamentos de sentimentos. Se pudesse... Aí eu não seria eu.

Sei lá, eu gosto tanto de usar as palavras, por que escolhi um curso que tem tanta tecnologia e tão pouco de linguagens? Talvez eu possa escolher algo que englobe tecnologia e linguagem. E me especializar nisto. E talvez mais tarde venha a fazer da minha vida o que posso fazer dela sem me importar como ela vai terminar.

Falando em terminar a vida. Gostaria de terminar numa ilha deserta, cercado do que há de bom neste mundo. Aproveitando tudo que posso. E com todo tipo de mordomia. Na verdade, eu não gostaria, eu quero! Assim como ainda quero ser um militar ativo. (Ativo é o come e passivo é o que dá na relação). E estar na frente de batalha de qualçquer coisa. Me vejo até segurando um Arma maior do que eu, disparando no inimigo. E logo depois correndo para ver o que atingi. E depois seguindo adiante junto com a tropa. Gostara de estar vivo para ver a 3ª guerra mundial com meus próprios olhos. As pessoas não pensam nas consequências. Mal sabem elas que o que elas fazem aqui é de repercussão futura. Não há céu e não há inferno. Mortos não sentem nem dor nem frio.

Ainda me pergunto por que os evangélicos ainda querem ir pro céu se não podem aproveitar das mordomias de estar no céu. Não faz diferença. Céu ou inferno não há sensação de frio, calor, medo, não há sensação alguma. Só sentimentos que se acreditam ainda existir com o corpo mesmo depois da morte. Sentimentos de posse, de raiva, de amor, entre outros.

Me recuso a acreditar que vou para o céu se fizer o bem ou para o inferno se fizer o mal. De qualquer forma mortos não sentem nada. O que de certo modo acho uma maravilha e ao mesmo tempo um horror. Imagine você o senhor com um pedaço de manga na boca sem sentir seu sabor doce, ou a sensação engraçada dos pelinhos do caroço da manga no céu da boca. Não gosto de pensar em momentos assim.

Mal sabem os evangélicos que já descobriram a terra prometida e já estão nela. Eles precisam prestar mais atenção. E uma palavra traduzida peo homem pode mudar de significado tantas vezes quantas for necessário. Não acredito num livro que trata os imprevistos com tanto (how do i say this word?... tanta violência.

O senhor sempre me ouve. Precisava conversar com alguém.
Je t'adore. Je T'aime. I'll be here again later. A bientôt, Monsieur Ramos.

parte 02 ─ de noite, em casa


Boa noite, Sr. Ramos.

Hoje eu jantei no RU. Mas isso o senhor só saberá como foi se abrir a compilação RU do meu blog. E nem vou falar do que fiz agora de noite.

Então, boa noite. Bons sonhos.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Diário ─ capítulo 23

Parte 01 ─ de tarde/noite de 13/09/2010



Olá, Ramos. Hoje foi um dia diferente, mas normal.
Lembra daquilo que eu falei sobre rejeição de crianças? Bom, aconteceu de novo. Só queria notificar isto e depois ver com um analista se é algum problema. Senhor Ramos, desta vez foi um menino. Minúsculo e mole. Senti nojo como da vez da menina. Nojo não, vontade de vomitar. A criança talvez nem tinha mais do que 3 meses de idade.
Refaço a pergunta: EU tive na outra vida, a anterior, uma cria e perdi ela de alguma forma? Será que isto é normal. Por que estou rejeitando crianças quando deveria estar como os outros: babando e chamando de coisa fofa?

Eu sou normal, não sou?

Sr. Ramos, agora eu te chamo assim por que o sr merece muito respeito. E, ainda que me escute e não diga nada, é muito importante pra mim que alguém me ouça. Ou seja, o senhor está sendo muito importante para mim neste momento. Não só por isso, mas por outras coisas também.

Hoje não fui jantar no RU. Restaurante Universitário. Ah, senhor Ramos. Eu descobri a caminho do RU que não tinha todo o dinheiro. Mas não faz mal, eu como alguma coisa quando chegar em casa. Aposto que o jantar de hoje é alguma coisa boa.

Mentiras. Não vou mais falar sobre isto tão cedo. Mas vVou dar um outro conselho:

Quando for mentir lembre-se do que falou. Cada palavra é crucial para
distinguir mentira de verdade. Se não conseguir gravar as últimas três
frases ditas anteriormente, poderá ser pego numa das próximas cinco.

Acho melhor não dividir isto com mais ninguém. Senhor Ramos, hoje eu consegu estudar no ônibus vindo para a faculdade. Estava sentado, é claro, afinal não dá para estudar em pé. Principalmente no meio de ônibus lotado.

Sabe, faz um tempo (alguns anos) que penso no Teletransporte público. Imagine só, as pessoas fazem uma fila num canto da pista. Elas depositam seu diheiro em um determinado espaço do dispositivo. Digita a coordenada ou o código de localização do ponto de destino. Senta num canto e, de repente, aparece no ponto digitado. Sairia mais barato que fazer um tour pela cidade de ônibus. As pessoas teriam a escolha ou de pegar um ônibus e chegar descansado em casa ou pegar o TTP e chegar ao destino em dois ou três segundos de viagem. Que tal?

Ainda penso em como isto será feito, afinal só fizeram teste de teletransporte com cachorrinhos de laboratório. Não há mais notícias. Até o desenvlvimento já estarei craque em programação e talvez vivendo em outro país que me dá escolha de sobrevivência.

Talvez já tenha esquecido por completo meu nome de brasileiro e meu idioma materno. E serei feliz com um homem rico, bonito e nativo da região.

Sonhos são sonhos. Ainda bem que são de graça. Se não, já imaginou quanto seria arrecadado sócom pagamentos de royalties por ter sonhado...

Fico por aqui. Você O senhor me entende. Coisa que ninguém mais faz. E me ouve sempre que preciso. Obrigado. A bientôt.

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: