sexta-feira, 29 de outubro de 2010

diário3 ─ capítulo 09

Senhor Ramos, nem passei na sala de aula. Primeiro por que não tá na hora. Segundo, por que queria te contar uma novidade: raspei minha cabeça de novo. Passei a zero sem dó e nem piedade. Sentia vontade de fazer isto antes, mas não pude.

Por enquanto era apenas esta novidade. Mais tarde eu conto outras, se tiver. Provavelmente só vou falar e falar e nada mais.

J'adore vous. I love this so much. Bis bald, herr Ramos.

parte 02 ─ de tarde


Senhor Ramos, tive uma crise depressiva no meio da sala. Saí, fui ler pra tentar sumir com a sensação desagradável de estar deprimido. Não funcionou, as lágrimas saíram do mesmo jeito. Voltei pra dentro, peguei minhas coisas e vim pra biblioteca. Fiz meu trabalho de português, ou melhor comecei e deixei pra fazer os retoques em casa. As lágrimas rolaram oltas. Não precisei nem forçar. Voltei pra sala. Saí de novo, e agora estou aqui conversando com o senhor, pra ver se melhora. Me cansei de estar bem. Quero mais que isso.

Contemporaneidade, senhor Ramos, uma chatice. Não saí nas outras vezes por que era importante. Agora sei que realmente preciso visitar o psicólogo. Não havia motivo de chorar. Mas ainda assim as lágrimas rolaram sem nenhum problema. Tá, falei com quem queria. Sim, o sonho. Só não falei do sonho.

Não dá senhor Ramos, minha cara tá assim desde o momento que entrei na sala. Odeio sala congelada. Odeio história, me odiava, agora quero só destruir o mundo. Com todo mundo dentro. Estou estressado? Deve ser penas a crise depressiva. Deveria parar de ficar deprimido. Mas não consigo. Não com facilidade. Hoje de manhã acordei triste. Voltei pra cama várias vezes. Chorei um pouquinho e vim pra faculdade cedo. De tarde cheguei na biblioteca, fiz o que tinha que fazer e resolvi simplesmente ignorar a aula e ficar até às 2 da tarde. Voltei pra sala e nada. Nenhuma vontade de rir. Tá ficando pior. Antigamente minha cara refletia o que podia fingir estar sentindo. Não é mais brincandeira faz algum tempo. Tempo demais pro meu gosto.

Sou resistente. Mas até paciência de gente muito, muito³, muito*muito, infinitamente muito paciente acaba. E minha resistência não está mais no nível que era. Posso sucumbir a qualquer momento e fazer a besteira que pensei há 5 anos atrás. Que no final me daria mais e melhores oportunidades do que estar aqui hoje deprimido.

Cansei, sabe, cansei de não ter como sumir pelo mundo. Quero um trauma bem forte que suma com todo o resto da minha memória. Assim não vou ter problema para sumir pelo mundo.

A bientôt, monsieur Ramos. Passe Bem. Toi aussi, merci.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: