domingo, 7 de novembro de 2010

diário3 ─ capítulo 18

Bom dia, senhor Ramos. Descobrir o maior e o pior erro da minha vida. Na verdade não foi da minha vida, foi da minha prova. Descobri que errei o cálculo da derivada de X^-2. O cálculo correto dá -2x/x^4 e a simplificação ficaria -2/x^3. Será que errei muito feio?

Be que a resposta tava na minha cara. O tempo todo. É o que dàs pessoa quando elas vão fazer algum concurso. Geralmente a resposta está na pergunta. Imagine só se as pessoas pudessem ver através da pergunta. Não seriam mais feitas provas e sim autoquestionários.

Nada mais a dizer.
A bientôt, monsieur.

parte 02 ─ de noite


Senhor Ramos, agora estou meio que morrendo de dor de cabeça. Gostaria de fazer algumas coisas que não posso fazer agora. Senhor Ramos, amanhã vou fazer alguma coisa de interessante.

Não sei, senhor. Mas sei de uma coisa. Vai ser uma coisa interessante.
Gostaria de resolver todos os meus problemas de uma só vez.

Não sei apenas quiz dizer isto. Não tenho nada na cabeça neste momento. Estou morrendo de dor de cabeça, como sempre, e estou tentando pensar. Tava pensando ontem em um dos meus antigos personagens que se foram com o Mag. Descanse em paz, antigo eu. Uma das minhas 5 partes. Uma convenção minha requer(ia) Mago, Mag, Gin e Mim. Sem nome raramente participava. Gin era a cabeça da equipe, como sempre. Bela, decidida, forte, imbatível, inteligente, extremamente racional, super sexy, independente... Vou ficar páginas tentando citar o que era ela. Enfim, Gin era uma mulher invejável em qualquer sentido. Ontem ela vestia apenas uma capa de viagem branca com capuz. Nada mais. Estávamos na minha sala de cet2. Eu (sem nome) sumia e apareciam os quatro. Ela somente vestindo o que citei. Mago vestido como eu estaria no dia, mag, o mesmo, eu apenas observando e do mesmo modo. Coordenados pela bela Gin.

Por que Gin? Conhece Natasha? Russa, alcoolizada e etc? Gin tônica com mel e limão, por favor. Entende agora? O mesmo se dá com um dos meus perfis do msn. Avtomashik Kalashinikov, também conhecido como AK47. Não, é simplesmente para mencioná-los aqui.

Continuando o devaneio esportivo de fim de tarde. Eu saía da cadeira com um salto mortal digno de filme de ação. E partia pra atacar alguns colegas. Gin tentava me fazer retornar à cadeira, e então deu ordens ao Mago para me travar com uma de suas magias.

Tão simples cair num devaneio de fim de tarde. A criatividade aflora a partir do crepúsculo. Nenhuma menção ao livro de Stephenie Meyer ou ao filme, tá? Falo do final da tarde, o por do sol. A noite é sempre melhor conselheira para os noturnos e os criativos. Ambos precisam da noite. Eu, sou o criacionista, ou popularmente conhecido crativo. A luz incomoda e muito. Os momentos mais divertidos do dia são sempre a distração.

Gente como meus colegas de exatas são muito concentrados e muito diretos. A maior parte é muito calado, mesmo os colegas do sexo feminino. Tenho muitos colegas que não consigo sair do oi com aperto de mão por que simplesmente travo. Não tenho assunto para com eles. E como teria se nenhum consegue expressar algum pensamento do tipo que seja? Tô falando de você, Rafael olhos cinzentos. Só falo amplamente sobre assuntos que me interessam. Se não falo é por que não encontrei nenhum assunto com o que falar.

Falar por falar sem ter assunto, melhor não falar nada. Não sabe o falar cale a boca. É a minha regra pessoal de boa convivência.

Outra coisa que, já que tou aqui vou falar logo, quero falar é: Gente, quem eu não sinto é por que não tem futuro aonde eu não sinto. Pergunte quem quiser para mim aonde está seu futuro e posso até dizer aonde é que ele não está. Sou sensitivo, sinto perfeitamente pedaços do futuro que são importantes para mim. Tipo: pessoas que serão importantes mais adiantes, pessoas que estão meramente no caminho sem nada a contribuir ou a tirar e pessoas que simples não vão continuar em determinados seguimentos. Não falo de passado, por que é algo que não guardo comigo. Uma lástima. Quero saber do meu passado.

Quero meu passado de volta, senhor Ramos. Preciso de alguém que me ajude a retornar e descobrir o que me bloqueou no sentido passado. Há muitas coisas que sei que aconteceu, mas não tenho certeza alguma de que realmente aconteceram.

Vou falar um pouco mais dos meus ex-personagens. Mago, é um grande mago. Sensitivo, crinhoso, decidido, ambicioso, poderoso. Ele adora o poder que tem, mas prefere se mostrar frágil como sua aparência. Os fortes são sempre os que evitam se mostrar, para ele. Mag é um metamorfo, rápido, ágil, competente, eficaz, sincero, honesto até certo ponto, e muito ambicioso. As vezes parece uma fera. As vezes parece um animal doméstico. Tudo depende de seu humor, assim como eu. Eu é forte, decidido, esperto, eficaz, ávido de poder, resoluto, discreto, inflexível, justo, elegante... Às vezes ele pode ser cruel, ou parecer. Ele não se importa muito em deixar as pessoas felizes. Pra ele o que importa é fazer o que tem que fazer. Diferente dos outros, igual a mim, ele não precisa de motivos e nem de gatilhos para fazer qualquer coisa. ─Gatilho: Ação que inicia uma reação, ou uma cadeia de reações. ─ Eu tem uma forte consciência hierárquica, ele está aqui pra seguir ordens ou fazê-las a depender da necessidade. Estes são eu, as minhas 5 partes.

Faltou? Não senhor Ramos, Semnome é apenas as minhas partes no conjunto. Unidas no todo, como uma comunidade. Ou uma colônia. Eles são partes de mim que Mantinha em separado para poder me controlar parte a parte. Senhor Alberto acaba de me dizer para esquecer este sistema de vez. Ele quer apenas Eu e no máximo Mago. Os outros, ele acha dispensável. Devo obedecer, e só. Como Eu faria. Ele é forte, "ele não precisa de gatilhos", ele apenas executa ordens ou as ordena conforme o necessário. O que quero me tornar, vou precisar do senhor Alberto, senão não consigo.

A bientô, monsieur. Bonne soirée.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: