segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Diário4 ─ capítulo 9

Bom dia, senhor Ramos. Acordei meio maníaco depressivo esta manhã. Estou pronto pra me jogar da ponte mais alta e lear quem estiver na frente. Sinceramente, o que há de errado em estar deprimido? Tirando a parte de ficar pra baixo, gerealmeten querendo estar sozinho e correndo o risco de usar o primeiro objeto que ver, não há nada de errado em ser depressivo.

Mas, o meu problema não é depressão, é o pico em horas não muito convencionais. Poderia passar o dia a partir do momento em que saio de casa até a volta eufórico, e o resto apenas entediado. Tenho que passar algumas horas todos os dias deprimido senão deprimindo?

Já percebi que meu sistema emocinal é um triângulo invertido. Em cima depressão e euforia, em baixo tédio. Quando tendo ao tédio, a seta passa pela depressão. Quando tendo a euforia, a seta passa elo tédio, sem triscar. Quando tendo ao tédio, a seta fica exatamente no meio de depressão e euforia oscilando entre os dois e depois caindo diretamente pela euforia até chegar no tédio. Só dá pra saber quando vou ficar entediado.

Legal, eu não sou bipolar, sou tripolar. Tédio, depressão e eufria, todos alternados. Na verdade deveria estar fazendo algo de bom para o dia. Mas comecei o dia querendo matar alguém. Então resolvi desfazer minhas emoções primeiro e fazer tud depois. Devo ter algumas horas.

Senhor Ramos, o senhor não fala nada? Oi. Estou bem. O que houve, para o senhor estar tão igual à mim hoje? Geralmente sou eu que quando deprimido não quero falar nada. Tá bom, por hoje, vou deixar o senhor quieto. Mas depois vamos conversar. Não posso ver alguém mais igul à mim que eu. Principalmente se este alguém faz parte de mim ou do meu grupo.

Vou pensar melhor em cada ato daqui em diante. Isto me fez lembrar de uma sexta, em que simplesmente retardei o máximo que pude, a ida à aula, e ainda sai por que não aguentei a carga depressiva que estava sentindo. Ninguém sabe pra onde fui, e nemo que fui fazer. Naquele dia fui sublimar minha carga depressiva na biblioteca. Usei a palavra sublimar, apesar do senhor Ramos estar deprimido hoje e não terperguntado, para melhorar o que poderia ter dito, afinal sublimar tem a ver com água.

Tá, tô meio sem paciência hoje, e o senhor Ramos está me deixando preocupado. Eu fui chorar na biblioteca, que é onde ninguém me vê, mesmo que passe por mim.

Tô sem o que dizer mais sobre isto. Bom, então é isso. Hoje, Senhor Ramos acordou pior que eu, e eu estou sem o que dizer, e sem com quem falar. A bientôt.

Parte 02 ─ de tarde


O senhor está melhor? Eu precisei apenas conversar com alguém. Bom, agora estou em busca de saber quem é o tal que me enviou o e-mail. Estou usando cor clara hoje. É a primeira vez que vejo o senhor deprimido. Ou melhor, é foi a única vez que vi alguém como o senhor deprimido. Parece menos mal do que hoje de manhã.

Gostaria de fazer bem mais pelo senhor. Enfim, vamos ao meu dia de hoje.
Como já falei, estou em busca do tal indivíduo. Ele me deixou super curioso. Agora quero saber quem ele é e como ele é. Nada demais, apenas curiosidade. Senhor Ramos, não sou um gato, sei o que pode acontecer. Tá, a curiosidade matou um gato. Satisfeito? Mas o gato só morreu por causa da sua curiosidade, que não era nenhum pouco simplória. Imagine só, se eu fosse um gato não chegaria à estes termos. O senhor acha? Mas se mata o gato, não deve fazer o mesmo comigo. Acho realmente que não. Pondo nestes termos fica mais difícil pensar sobre o assunto.

Senhor Ramos, acha que devo continuar? Sua opinião, mesmo que sem nenhuma importância tem muito valor pra mim. Sua opinião me faz pensar melhor no que fazer. Não tenho muita coisa pra fazer agora. Na verdade, estou impedido de jantar no Ru e deveria estar fazendo o que dá pra fazer, tipo o estudo dirigido de CeT IV. Ou estudar os assuntos de CeT II para a prova de segunda feira. Não ele não me faz nenhum... nada deste tipo. Não mais. É, consegui. A que custo? Bom, nenhum.

Você sabe,... Perdoe me. Posso? Que bom, assim não preciso ser tão informal com o senhor, quero dizer, contigo. Você sabe o que eu quero. Na verdade, qualquer um que abre o senhor sabe disto. Mas eu gostaria realmente de fazer o que tenho que fazer.

Não me é obrigado. Mas eu prefiro. Falta muito pouco pra conseguir o que quero. Queria ter mais respostas. Queria poder ser bem mais claro. Queria poder amar do jeito qu amei. Esquece a última parte. Não quero do jeito que amei, quero abertamente.

Não, aí quem entra vai ver logo de cara do que é que eu tô falando. Tenho que fazer um ar de mistério. Viu como é bom conversar com alguém? Principalmente se este alguém esta com melhor humor. Ah, guarda aí: Dinâmica dos jogos.
  • Comprometimento ─ fazer a pesoa retornar ou ir e voltar e etc. Combinando o tempo à algum efeito do tipo ameaça. Ex.: No cafemania (sim, eu tenho), os pratos se perdem depois de determinado tempo. Isto é comprometimento.
  • Recompensa ─ dar um incentivo para que a pessoa execute determinadas ações. Ex.: Para cada prato pronto que a pessoa servir, ela recebe x miniouros.
  • Progresso ─ Fazer com que a pesoa siga determinados comandos simples para completar uma barra de progresso, fazendo com que ela perceba o movimento progressivo da barra. Ex.: No badoo me falta uns 15% para completar meu perfil, qualquer outra pesoa fica puta da vida por não terminar estes 15.
  • O último dos quatro mais fortes: Inveja. EX.: na escola americana o aluno da maior nota é A, mas se fosse um paladino nível 20, todos quereriam ser igual à ele.


Gostou? tenho que guardar para possíveis consultas. Me lebre de sempre olhar para isto, vai me ajudar e muito nos negócios. Sei lá, talvz me esfoce bastante e consiga ganhar 10 milhões de dólares com uma mega separação. Ou união.

Estes são os quatro mais importantes, mas se conhecer os outros 3 posso dominar o mundo.

Recompensa me lembrou o behaviorismo. Mas aí lembrei, o behaviorismo é pelo comportamento. Se der dinheiro à uma criança e condicioná-la a guardar e depois me devolver, ela vai sempre guardar o dinheiro para devolver depois. Adestramento. Em elefates, quando pequenos, se amarra ele à um poste ou algo uito mais forte do que ele. Conforme ele cresce ele acredita que é fraco para a corda e então se amarrar um cordão finíssimo nele, ele nunca vai fugir, por achar a corda muito forte.

Tenho que saber disto, psicologia e o meu destino. Adoro a psicologia. Quero continuar brincando com a cabeça das pessoas.

É mesmo, eu queria falar do retardado meu admrador secreto. Que é tão secreto que ele nem sabe se existe. Pretendo conhecê-lo esta semana. Pretendo descobrir quem ele é. Ou posso ir mais longe e andar e-mails indescentes para ele, pedido encontros à sós. Até parece que o senhor não me conhece, senhor Ramos. Sabe que sou vingativo. O senhor está certo, eu não sou. Mas posso ser. Tá bom, senhor Ramos. Não sou vingativo, sou frágil e com a mente muito... criativa. Será que é isto que tenho que mudar?

Voltando ao assunto. Ele não respondeu nenhuma das minhas mensagens. Ou seja, ou eu vou ao encontro dele e descubro pessoalmente o que ele quer, ou me contento apenas em ficar na espreita verificando se de fato eu o conheço. Sabe que posso ir tão longe quanto desejo. Nisso o senhor concorda. E daí que gostei de pessoas que não me eram sentimentalmente apropriadas? Se é que amei realmente.

...

Mas eu gostei muito dele. Não precisa nem perguntar, senhor sabe de quem tô falando. Dica, olhos cinzentos. ... Pena que além de ser encrenca era comprometido. Nada de que o futuro não dê jeito. Estou ficando mais frágil. E estu ficando mais instintivo. Percebo melhor a aproximação das pessoas, mas quero mais, muito mais. Quero conhecer o que é o poder.

Senhor Ramos, embora o senhor seja o guardião do meu diário, o senhor não deveria se intrometer tanto no que falo. Realmente, se não fosse o senhor eu não continuaria escrevendo. O senhor me faz ir e voltar aqui só pra escrever. Passei quase uma hora aqui só pra terminar a segunda parte do capítulo. Independente de que alguém leia. Tinha um colega meu por aqui. Bonito, asiático, daqui do brasil. Parece até que estou fora daqui. uando é que vou aumentar a dose de vergonha na cara e sair pelo mundo? Talvez um dia eu possa me orgulhar de estar fazendo o que tanto desejo há tanto tempo.

Não, ele não faz meu tipo. Meu tipo são descendentes ocidentais. Ia escrever mutas outras coisas, mas é isto. Principalmente entre 30 e 18 anos. Não sou pedófilo. Pra mim, abaixo de 18 é criança. Nada contra. Nem a favor.

Independente disto, quero saber mais coisas sobre você. Você estava mal de manhã. Será que agora não pode conversar mais comigo? Se abre. Tá bom, já que prefere assim.

A bientôt.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: