sábado, 5 de março de 2011

Resposta a um artigo de outro blog



Se ser um ser basta, então não basta apenas ser.
Humanos seremos todos. Mas seremos todos humanos?
Humanidade não é um adjetivo, sequer um motivo de orgulho.

Podemos nos orgulhar do que fazemos, não do que somos,
assim como podemos nos orgulhar apenas do que somos.

O orgulho não é a chave do céu. Que se dane o céu, todos vamos para o inferno.
O que é o inferno? Quem menciona o inferno?
A morte. Não, não a morte. A morte nada fala. Apenas leva aqueles que precisam dela. E a querem.
A morte é o alívio. A vida que todos desejamos e achamos fácil.

Veja você: é fácil passar a vida sem dor, sem raiva ou ciúmes?
Sim é, você me diz satizfeito.
A vida eterna se chama morte. Por que morte? Não, a morte não é má, a morte trás nos olhos o orgulho, a sinceridade, o amor.
A morte nos leva quando temos que ir.

Agora eu pergunto a mesma pergunta de outra forma:
é fácil passar a vida sem sentir prazer? Sem sentir o toque fresco de uma pessoa que amamos?
E você me responde: que se dane a morte, eu quero viver.

Não há para onde ir, o que desejamos com força nos é dado em momentos inoportunos.
Mas que é isso?
Momentos inoportunos? Não existem momentos inoportunos. São todos auspiciosos.
Não, meu filho, não são. Meu irmão, eles não são auspiciosos.
Podemos ser filhos da mesma carne. Podemos contribuir de formas diversas para uma mesma causa hereditária.
Entretanto nos é arbitrária a condição de meros viventes de vidas curtas.

Sim, tão curtas, minhas irmãs e meus filhos, que não tenho tempo para dizer "eu te amo". E como tempo me falta, apenas demonstro da forma mais bonita que sei, mesmo que não pareça tão bonita do seu lado da tv.

Se te ignoro de alguma forma, é por que te amo.
Se te ameaço para que fique quieto, é por que te amo.
Se peço para que morra ou outras coisas vulgares, é por que te amo.
Talvez até saiba algum outro método de demonstrar que te amo.
E te pergunto, seria sincero demonstrar de uma forma tão diversa da que sei demonstrar o meu amor para consigo se apenas sei demonstrar deste modo?

Ser ou não ser não é uma questão. Ser ou não ser é uma decisão que deve se tomada em conjunto. Mas não qualquer conjunto. Um conjunto corpo, alma, mente e coração.

Ser ou não ser? Não sou o que quero.
Mas o que sou, de certo modo amo ser.

Você me ama? Qual é a sua forma de amar?
A minha é mostrando da forma que sei.
E a forma que sei é o meu jeito de mostrar que eu sou quem eu sou.

Não insista em ser quem não é...
Seja quem for... Seja quem você for....
A pessoa que estiver aí dentro...
Decida logo. Ser ou não ser? Bah! Eu sou. Você é. Nós somos.
Eu é, Tu é, ele é, nós é.
Sou, é, somos? Meras palavras.
Quem você é? Será que realmente é você?

Esqueça. Não pense em quem você deve ser...
Seja. Apenas seja e ponto.


E diga para a pessoa que vive te seguindo no espelho:
-- Eu sou!

---------------------------------------------
Eu pensante

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: