sexta-feira, 22 de abril de 2011

Segredos fatais

Hoje o capítulo é bem leve. Diferente do nome sugestivo que coloquei. Que bom, ao menos o senhor entendeu minha escolha. Senhor Ramos, hoje foi um dia interessante. Claro que não precisamos contar isto pra todo mundo ouvir, né?

Estava pensando. Óbvio, senhor Ramos. Afinal, não consigo parar de pensar mesmo quando estou em momentos extremos que exigem falta de pensamentos. Fora isto... É hora de contar o maior e mais perigoso dos meus segredos. Tá bom, realmente não chega a tanto.

Meu segredo é: Eu não tenho segredo. Cheguei à esta conclusão depois de tanto pensar em cada um dos segredos que guardei. Lembra de tudo o que te falei? O (que não sei se é) amor, a minha (falta de) experiência, entre muitas outras coisas...

Obrigado por me entender. É um coisa que não preciso explicar. Bom, se o senhor entende, pra mim basta. Na verdade, eu nem saberia como explicar.

Senhor Ramos, eu adoro conversar com o senhor. Não estou tentando mudar de assunto, é que ... não tenho mais nada a falar sobre este assunto. É um capítulo a menos na minha história.

Obrigado. Em alemão: Danke, viele danke! Estava pensando em todas as coisas da minha vida que realmente lembro de ter acontecido e das coisas que sei que aconteceram mas não sei toda a parte. Passei algumas horas lembrando de fragmentos marantes,mas não lembrei de nenhuma das partes importantes, tais como: como cheguei naquelas partes, como sai daquelas partes.

Eu tenho certeza de que tentei me matar aos quinze. Mas, qual foi o acordo que fiz com Mag? Eu realmente fiz um acordo, ou ele me convenceu a largar todo o meu perfil daquela época e ser outra pessoa completamente diferente? Eu sei de cada detalhe, o dia, a hora, como era o lugar em que estava, o que ía usar como arma, aonde iria acertar, os estudos que fiz, mas não lembro por que desisti.

Entende? Entende mesmo? Bom, o que quero dizer com isto é que: se eu não entendo, como o senhor pode entender? Não tenho a menor ideia.

Agora é o senhor que está mudando de assunto. Aquelas crianças morreram por que era para elas morrerem, nós não temos nada com isso. O senhor sabe onde posso encontrar um bom terapeuta? Plano de saúde de funcionário público. Do Brasil. Gosto da sua sinceridade. Sua sinceridade é um exemplo que posso seguir. Meu pai biológico nunca foi um exemplo, nem mesmo aos outros filhos dele.

Quem o diga o neto...ou melhor, os netos. Meus sobrinhos, duas crianças lindas. Um faz muito tempo que não vejo. A outra tem um destino promissor e outro que direciona ao fracasso. Tá, eu prometi que ficaria no presente. Eu não sou vidente, apenas uso minha intuição. Senhor Ramos, se eu tenho a oportunidade de viver uma boa vida usando dos meus conhecimentos ocultistas, por que vou deixar de usá-los. Mas uma parte eu cumpri. Não vejo o futuro de mais ninguém e faço perguntas explicitamente específicas.

Não me importo com o destino de pessoas mortas. Não quiz dizer isso. Falo de pessoas vivas reativamente mortas. Vai me dizer que não dá pra sentir uma pessoa reativamente morta? Tá bom, sem este tipo de termo. Não estamos falando de gente, estamos falando de mim. Acabei de perceber. Estou sem assunto. Valeu. A bientôt. Ich liebe Sie.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: