sábado, 9 de abril de 2011

Um conto que eu te conto

Era uma vez uma menininha. Pequena, lá pelos seus quatro anos de idade. Entretanto muito maduro para alguém de tão pouca idade. Um dia ela foi visitar seu tio, pouco mais velho que ela.

Seu tio não era bem uma pessoa madura, nem tampouco uma criança pequena, mas era uma boa pessoa. Neste dia, sua sobrinha veio para passar alguns dias em sua casa.

Durante a noite as coisas eram diferentes. De dia eles brincavam e conversavam como amigos. De noite, ambos tinham medo do escuro. E como resolver este problema? O tio queria ser maduro, ou parecer, para sua sobrinha. A sobrinha queria proteger o tio, que mais parecia eu irmão pequeno.
Então, no final do primeiro dia eles tiveram uma boa ideia.

Tão boa foi esta ideia que eles resolveram pensar mais sobre ela. Mas que ideia foi essa, você deve estar me perguntando? A ideia ambos contarem histórias para dormir enquanto o outro vigiava para caso algum monstro sair do escuro.

E então o tio resolveu começar, mas pensou melhor, já que a pequena criatura não seria forte o suficiente se houvesse uma criatura na escuridão.

E então a menina começou a contar uma história.

A história era mais ou menos assim:

"Era uma vez um menino. Um menino pequeno que tinha medo do escuro. Um menino que assim como tinha medo do escuro tinha muita força de vontade e muita coragem."
E continuava nesta direção, com o menino perseguindo seus medos até não ter mais eles.

No final da história os dois dormiram tranquilamente. E no outro dia brincaram e correram o dia todo, até a hora de ir dormir. Nesta hora eles resolveram trocar. O tio contou a história de uma menina que não tinha medo.

Esta história mostrava para a pequenina que não era preciso perder os medos, e que eles são necessários em alguns momentos da vida. E de novo dormiram no final da história.

No outro dia correram e brincaram, mas, desta vez, permaneceram ansiosos para chegar o final do dia. Isto para poderem contar histórias no escuro e acalmar um ao outro e poderem dormir sem medo.

Desta vez eles contaram uma história que falava de pessoas que perderam o medo e que não perderam o medo. Até adormecerem novamente.

Mas a menina teria que voltar para casa no domingo, pois tinha compromisso na segunda-feira.
E o mais incrível disto tudo foi que: Todo o tempo que passavam brincando desde o primeiro dia em que contaram histórias, ambos deixaram de ter medo de ir dormir de noite, e passaram a desejar chegar a noite mais cedo, para que assim pudessem se distrair com suas histórias.

E desde então, deixaram de ter medo do escuro.

Moral da história:
Não tenha medo do que não conhece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: