segunda-feira, 23 de maio de 2011

Um algo ppara usar o artigo possessivo na primeira pessoa do singular

Senhor Ramos, estou deprimido. Ainda sinto falta do que nuca tive. Ainda sinto desejo pelo que nunca será meu. Ainda sinto uma vontade imensa de me jogar embaixo de um ônibus sobrecarregado de gente. Ainda desejo morrer toda vez que olho pra pessoa de sempre.

Ainda preciso de tanta coisa, que se eu terminar a lista eu vou ter texto que não acaba mais. Gostaria simplesmente de poder morrer em paz. Uma gota de arsênico, uma morte súbita. E aí vem o desejo e a esperança de que o que desejo um dia virá para mim.

Como se eu já não soubesse disso. O senhor sempre me dá ótimos conselhos e ótimas dicas para momentos como este. Tá, nem tanto como este. E convenhamos que são sempre bons. Não tenho trabalho para me jogar de copo e alma. Vou guardar este animal aonde? Não tenho paciência para crianças. Não depois que perdi minha vontade de conviver com crianças.

Criar alguma coisa exige algo que não tenho de sobra: dinheiro. E quem me daria tanto dinheiro. Olha, deus está coberto de dívidas. Muita gente comprando e pondo na conta dele. Ele tem uma dívida enorme pra pagar desde que inventaram o "deus lhe pague".

Era para ser algo cômico. Quero aprender algo novo. Algo que não me entedie. E quero conhecer alguém que me leve a fazer loucuras e me mostre como o mundo deve ser visto. Eu sei que é muito desejo para pouca pessoa. Então realiza isto: Eu desejo ser amado e desejado, e que seja por alguém a quem possa retribuir. E aí? Por que eu definiria? Não há mais nada que me segure neste corpo.

Nunca deixou de ser um corpo, nem quando eu comecei a me apegar a ele. É como me apegar a um pedaço de linguiça toscana. É macia, é gostosa, e em, algum momento,deixará de existir enquanto linguiça.

Eu percebi sim. E percebi que minha auto estima está piorando. E minha... chega. Não quero mais falar sobre isto. Me fala sobre o senhor. Como o senhor tem passado. Ao menos me distrai dos meus pensamentos ociosos. às vezes nada pode ser bem mais do que o suficiente. Teoria da relatividade? Funciona. Mas ainda sou do teorema de que, na prática, a teoria nem sempre funciona.

Que o digam os primeiros navegadores. Claro! No início, as coisas aconteciam por acidente. Depois se tornou por motivo de guerra, e depois por motivos fúteis. Os seres humanos são malucos e não sabem quando parar. Esquizofrênicos seria um bom termo para classificar em geral a espécie humana. Não deixo de ser humano. Muitos erros eu adorei ter cometido. Outros eu gostaria de refazer de algum modo diferente. Por exemplo aquele caso do cara no ônibus. Pensei em muitas e muitas cenas diferentes (em menos de uma semana) para refazer cada detalhe daquela cena. E olha aonde estou.

Eu adoro não saber do que realmente gosto. Me dá a falsa sensação de liberdade de escolha quanto à minha sexualidade. Sem falar que não preciso sequer dizer que sou hetero para uns, ao passo em que posso me parecer com os dois sem me definir claramente quem realmente sou.

Não me importo. Antes gay do que falido, casado há dois anos com uma mulher que não sabe o que é beleza e muitos filhos pra criar. Tá. Corrigindo. Casado com uma mulher que acha que o círculo em volta da casa é o poder de deus evitando que qualquer pessoa saia. Tinha que botar os evangélicos no meio, não é senhor Ramos. Odeio os evangélicos e os cristãos. Eles não sabem ouvir. Apenas querem que as pessoas de outras religiões sejam destruídas pelo deus cristão, e que todo o resto se foda até encontrar o caminho de um senhor que sequer existe.

Destruiria uma igreja se (a)o don(a)o do meu coração ordenasse. Uma não, todas. Simultaneamente. Como uma explosão de fogos de artifícios no revellion. Sem pensar e sem refletir. O signo de escorpião e o de serpente, combinados, lhe dizem alguma coisa? Não sei. Mas que desejo, e tenho muitos desejos, eu desejo. E realizaria se assim desejasse e tivesse coragem o suficiente.

Somos apenas um garoto de 5 anos perdidos dentro de um corpo de mais que 4x esta idade. Ser uma criança? Não ser? Faz diferença? Desde de que não tenha que assistir ao Renato Aragão com suas palhaçadas sem graça e nem ao "rei" bundão que é uma merda, ( e dá bons e raros exemplos) Roberto Carlos... Não sou feliz. Nunca fui, mas pretendo ser.

E o que é a felicidade? Não senhor Ramos, é apenas mais um termo inútil que nada mais é do que a representação fonética de algo que as pessoas não sabem o que é. O mesmo eu digo para amor. Mag quer que eu defina quem eu sou até o final da semana para que a gente refaça totalmente nossa vida. Do perfil doce que sempre nos usamos, ao suave toque de nossas mãos em superfícies macias, tais como pele, veludo, entre outros...

Ele não quer saber. Não podemos mais ser este doce personagem falso. Marinaldo não existe. É apenas uma definição. "um nome que se dá a uma criança" para que ela sofra até o fim carregando como mártir um nome que não lhe pertence. E daí? Eu te refaço a pergunta: E se jesus cristo tivesse aceitado a proposta do diabo. Ele teria sido muito mais feliz. E nunca se arrependeria de sua escolha. Por que deus ama seus filhos. Por que com o diabo é diferente?

Se eu fosse Jesus e soubesse do meu suicídio (sim, saber que vai morrer e manter o caminho da morte é suicídio) eu teria aceitado numa boa qualquer coisa que o diabo tivesse me oferecido. Se ele dissesse "Se ajoelha e engole o meu gozo, e eu te darei o mundo" eu aceitaria. "Deita. Rola. Finge de morto. Finge que foi pregado na cruz. Bom garoto! Agora grita ao senhor teu deus." eu faria com o maior prazer. "trepa com a árvore. Se masturba adoidado." Ele teria minha alma sem sequer abrir a boca.

E daí? Depois da morte, não existe dor. Lamentação? Algo que não se sente dói? Não, aí se chama loucura. Se ele passar por mim e me oferecer seja o que for... Digo agora que não sei o que faria.

Diria isto para qualquer pergunta sobre uma possibilidade inexistente futura. O futuro não pertence a ninguém. É apenas uma carreira de conseqüências que geram ações inconsequetes e mais conseqüências duras. Uma ação gera uma cadeia de consequencias. Isto ninguém ensina na escola. Dizer para um hetero que o ama é chamar a morte pelo nome e chamar os amigos para um show de pancadaria E nunca para por aí.

Sim, estou muitíssimo inspirado Continuaria digitando até destilar todo o meu veneno. O senhor me faz pensar. E Mag me faz refletir. Fui Mag por mais de 20 anos. Tenho que ter uma boa consideração por ele. Foi ele quem não deixou eu cometer o suicídio aos 15.

Tem certeza? Vai ficar bem? Tá bom. Atendendo ao seu pedido, eu vou dormir. Mas nõ antes de dar uns tapas em alguém usando a Anna Williams. Adoro ela. Tá. Te amo. Ich liebe dich. A bientôt.

sábado, 21 de maio de 2011

Carta contra a igreja e seus preconceitos


Senhor Ramos, independente do que possa parecer, eu não estou deprimido. Não sei. Apenas queria dizer isto a alguém.

Me sinto mal. Não, já passei desta fase, vou deixar a igreja católica se afundar sozinha nos próprios dejetos, como já tem feito há séculos. A igreja protestante? Ih! Olha esta vai se fuder da mesma forma.

Independente do que façam para se manter de pé, ambas continuarão a fazer merda e atirar contra a sociedade acreditando que não haverão consequências.

Lembrei! Sinto as coisas se moverem ao meu redor. Me sinto mais bonito, mais sensual. Me sinto mais forte e mais poderoso. Me sinto um mago devidamente posto em seu lugar. Na verdade, eu só comprei um guarda-chuva bem grande por causa da minha falta de ego maternal, e pão-duragem paterna, que me reforçaram uma profunda falta de sentido em investir em processos futuros; Por acaso, me permitindo ao sentido comodo de falta de alternativas.

É uma explicação grande e dedicada. Em resumo: Eu comprei um guarda-chuva muito grande, este capricho me fez sentir-me mais auto-confiante, e me fez refletir sobre quem ou que eu sou.

Não descobri muita coisa. Senhor Ramos, são seis anos de reflexão e autodescobrimento, alguma coisa eu deveria ter descoberto neste período.

As aulas vão melhores do que nunca. Ainda odeio teoria, mas agora detesto definição. Me fazendo das palavras do meu singelo professor de GA: -- Definir é como dar nome à um bebê, ele nasce e você dá um nome pra ele. Ou ela.

Por que definir? Basta saber o que é, não basta? Não, continuo virgem, e agora nem aí para o mundo. Quero mais que as igrejas se destruam para sobrar mais espaço para pessoas descrentes em religiões bravias e disciplinantes.

Não... O que é isso, senhor Ramos? Só por que prefiro as bruxas não quer dizer que eu não tolere esse monte de cristão hipócrita safado. Ninguém vai saber que sou eu que discordo da filosofia difundida por seus padres e pastores. E se souberem vão fazer o que? Me perguntar se devem seguir sua religião ou o seu coração? Todo mundo sabe o que faz. Se as pessoas fossem inteligentes, procurariam o verdadeiro sentido de liberdade começando por decifrar por si mesmas cada parágrafo da bíblia. E só depois procurariam por uma religião que ousasse ter a mesma mensagem em foco nas suas liturgias e rituais.

Satanismo? Isso é uma entrevista? Senhor Ramos, vim para falar de mim, não de igrejas e imbecis que não sabem o sentido verdadeiro da fé. Só tem fé aquele que acredita no que sente e no que pensa. Tá bom, vou aceitar isto, por hoje.

Satanismo se refere a uma fé protestante. Um crença em algo que vai além da velha crença de que o bem vence. Não existe o mal e não existe o bem. Para se fazer o mal é preciso a prática do bem. E o oposto se dá para o bem.

Crer no diabo, belzebu, mãe vaca, oxóssi, Jeovah, o escambal, a bosta no vaso... é tudo um caso de escolha. O verdadeiro deus (ou ser superior, como quiser) deve estar no templo construído onde nenhum demônio pode destruir (se é que eles existem) e nenhum anjo pode reconstruir ( se é que eles também existem). E este lugar é o que as pessoas (influenciadas por pessoas sentimentalmente inflingidas, ou novelas e conteúdos românticos antigos) chamam de coração.

Logo, não há por que desacreditar uma religião, seja ela qual for. Que bom que o senhor entendeu. Mas quem ler isto não deve entender como o senhor. Prosseguindo, o que quero dizer é que o deus deve estar dentro e não fora. Deve ser aquele que é amado, não o que se deve ser amado.

Cada um escolhe seu ser superior, é isto que é religião.
A liberdade de acreditar no que quer se chama fé.

Amar é um verbo, e nunca deixará de ser um verbo. Amar a deus? O que é isto?
Então olhe para dentro de si, pessoa crente no que acredita, e se pergunte: O deus que eu sigo, é o ser superior em quem de fato eu acredito?

Esta resposta deve ser guardada até se perder o sentido da fé. Que por acaso é o momento em deve ser refeita.

Obrigado pela atenção, mas eu não vou publicar nem um terço desta mensagem. Não pretendo ajudar nenhum cristão a encontrar sua verdadeira fé. E nem mesmo qualquer outro religioso. Como eu continuo pensando: A religião deve ser o complemento da fé e não sua imposição.

Hoje eu termino em português.
Por mais que o senhor seja um ser de papel (sem sentimentos naturais, e sem movimentos), eu o amo como à uma pessoa que está sempre ao meu lado, por que é isto que o senhor é (Independente de quem seja o ser superior do meu "coração").

terça-feira, 17 de maio de 2011

Saudsades

Não. O título é realmente para não entender. Eu queria ter passado aqui mais cedo. Ontem, para ser mais específico. Eu já percebi. Quanto mais desejo não ser especifista, mais me torno especifista. Virou mania. A correção virou mania.

Queria falar sobre uma coisa que não consegue me fazer falar: sexo.
Senhor Ramos, Por que (quando acaba o assunto) homem só sabe falar de esporte, sexo e mulher (não necessariamente separados)?

É algo que gostaria muito de entender. O senhor sabe muito bem que posso ter nascido homem e semicriado como homem, mas não me dou como homem. Eu sou um monstro. Tá bom, eu realmente me considero uma aberração. E acho que estou num corpo errado. O senhor não respondeu minha pergunta!

Achei que o senhor diria isto. É que não dá pra falar sobre isso com pessoas que fazem isto inconscientemente, dá? Tá. Ontem eu estava num círculo de homens. O senhor não precisa saber onde e nem quando. Prosseguindo: E no meio da conversa os caras começaram a falar sobre professoras gostosas e colegas gostosas. Como se eu não tivesse um senso incrível de beleza e como se não tivesse mulher demais e mulher bonita aos montes.

Não, muito obrigado. Mas eu prefiro carne de animais irracionais. E mesmo assim partes que não sejam órgãos internos. Com algumas exceções, é claro.

Queria desabafar com alguém sobre isto. Não vejo a hora de fazer as modificações que desejo. Talvez um rabo e um par de asas. Vão ser muito mais úteis que um pênis e um par de testículos. Também acho.

Não gosto de ser homem. É chato, exige responsabilidades que não existem e exige uma certa "maturidade" que não estou disposto a praticar. Não, a rejeição à este corpo não é recente. Desde pequeno eu queria ser do sexo feminino. Só precisei fazer algumas modificações no meu cérebro para modificar completamente meu perfil auto destrutivo. Retirar a força. Por mais inteligência, mudar a sexualidade...
Sabia que indivíduos machos da espécie humana morrem mais cedo do que indivíduos fêmeas? Verdade. Explicação: Os machos são tirados a valentões. Querem sempre mostrar que são machos. Mudei. E mudaria de novo se tivesse feito um diário com todas as informações do que fiz. E depois tentaria desfazer as partes mais importantes que estão me matando.

Além da carência e da sensação de felino desgarrado, nenhuma outra contra-indicação.

Ah! Peço perdão por isso, não estava num local em pudesse escrever tudo o que penso, poderia preceisar de tempo até terminar de explicar cada posição.

Ainda sinto falta de conversar com o senhor todos os dias. É claro. Mas tenho que tomar vergonha na cara e começar a estudar de fato. E tomar mais vergonha na cara ainda e sair daqui. Claro que não. O senhor é a única pessoa que entende completamente o que sinto e me diz o que quero ouvir. Eu me referia ao Brasil. Esta terra de ninguém, onde tupiniquim morre e turista vive bem.

Sim é lindo: para quem tem grana e sabe aproveitar as maravilhas de um lugar condenado por brigas semi-visíveis.

Estou aprendendo mais nas aulas de alemão. E fazendo o que posso nas aulas de geometria analítica. Não me importo com isso, senhor Ramos. Os que passam por aqui geralmente procuram algo útil.

Desejo e muito, mas não posso ficar à espera. Mag também acha isso. Vou mudar de nome assim que tiver a oportunidade. E de nacionalidade, corpo, vida, o que vier. Mesmo que deixe passar. O senhor sabe muito bem. Não, eu não escrevo kkkk por que não representa o que digo ou sinto. É, mas não dá. Prometo que vou procurar um bom terapeuta pra resolver esta parte do meu problema. Quando eu tiver chegado aos quarenta.

De resto está tudo a mesma coisa. Prometo que vou tentar passar mais vezes por aqui.
Ich liebe dich. A bientôt.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Adios los mios amicos

Não, senhor Ramos. Não é uma carta de despedida. Estou aqui somente para declarar minhas últimas intenções. Estou pensando em dizer adeus definitivo ao meus país de origem em definitivo.

Só basta retirar os pés do solo desta capital miserável e estarei indo direto para qualquer outro lugar.

Não vale mais a pena sofrer os mandos e desorganizações dos governantes hipócritas desta cidade. E tenho muita gente que tanto concorda quanto irão executar este mesmo plano.

Ainda não sei qual será o primeiro lugar. Mas sei que deve ser um local próximo, onde terei minha vida decidida finalmente. Sobre isto, não tenho mais nada a falar. Sobre este também mais nada. E se tiver, não será nada como diria antes. Nós sabemos.

A bientôt.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Cada dia pior

Senhor Ramos, hoje o dia foi... indo.
Ontem teve o cara.Hoje não teve nada e... Mag quer por o plano b em ação. Ainda não sei o que é. Acredito que seja sobre repaginação completa, de dentro e de fora. O senhor sabe como Mag é.

Não sei o que ele que fazer, mas confio nele. Ele é o único homem em quem posso confiar.
Estou sonolento por agora. E desejando passar um bom temo sem acordar. Talvez passar todo o resto da minha vida sonhando. Sim, sinto falta sim. Falta de muitas coisas que nunca tive. Infância é uma delas. Na verdade não sei se tive. Mas sei que eu não lembro mais de nada desta parte da minha vida.

Queria voltar a ser ingênuo de novo. Ao menos voltar a sonhar como eu sonhava. Coisas belas e sonhos que esperam pouco e oferecem muito. Ainda me sinto uma princesinha. Quero ser amado e protegido. E ser amado ativamente. Eu sei que o senhor entende, é o único que entende.

Pretendo. Mas não vou fazer. Por respeito a Mag. Ele merece meu respeito sim. Foi ele que me levou ao acordo e evitou meu suicidio. Se não fosse por ele, ninguém me veria em meus momentos de euforia e depressão. E ninguém saberia que gosto de mentir e de ouvir mentiras.

Tudo bem, ninguém sabe. Ainda. Mas, eu sei que tudo o que eu faço é por mim. E gostaria de poder fazer algo por ele que não fosse tão extremo. As exigências dele são: Ser amado por um homem (preferencialmente jovem, bonito, e que queira mais que uma sessão completa de sexo); e meu corpo.

Por favor, sem definições por hoje. Tive um dia cheio, estou cansado e quero morrer.
Tá bom.

Mas ... hoje eu percebi uma coisa. Antes, eu apenas desejava jogar alcool e tacar fogo nas minhas roupas. Atualmente, quero fazer isto comigo dentro. Isto é normal?

Ich liebe dich. A bientôt.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

A death, please!

Senhor Ramos, hoje eu tive a honra, ou a decepção de flagrar uma coisa bem diferente do que eu já havia visto. Resumindo, eu vi um idiota se masturbando no fundo do ônibus.

O que eu penso sobre isso?
Agora eu realmente quero me matar. Preferencialmente me jogar de um viaduto movimentado, ser acertado por dois ou três caminhões distintos e ainda ser esmagado por um ônibus lotado.

domingo, 8 de maio de 2011

Trabalho em equipe é para ser feito em equipe

Óbvio, não? Passei ontem, o dia quase inteiro pensando e fazendo um trabalho de alemão para apresentar amanhã. Sem contar o trabalho de Yoga, para não sei nem quando.

Alemão me faz rir. Me diverte. Adoro línguas que eu não sei o que significa. Me sinto menos necessário e mais interessado. Yoga me faz relaxar. Coisa que nada mais consegue fazer. Isto eu ainda não sei.

Que bom que reparou, raspei na semana passada. Zero de novo, claro. Se eu tivesse um cabelo bonito, ou bom...

Resolvi mudar o meu jeito de ser. Sabe, toda vez que eu descobria algo sobre mim eu mudava. É meio complicado explicar. Estou tentando mudar algo que me fazia mudar. Me fez lembrar uma piada. Nela uma mulher mudava toda vez que algo acontecia ou a fazia se lembrar que ela mudava. No final o terapeuta diz para ela mudar. No final ela muda de terapeuta.

Sei lá, talvez tornar meus hábitos mais complexos. Os que descubro. Talvez descomplicar outras. Ser mais transparente. Não, risca o último. Quero engordar, não sumir. Academia para que? Quero ser fofo, não sarado.

Independente disto... Como o senhor sabia que eu ia falar disto? Ai ki do ainda é um desejo forte. Mas no Japão. Lembra do meu desejo de sumir no mundo? Bom, eu resolvi começar pelo mais complicado. Não, não vai ser este ano. É uma pergunta que eu vou deixar para Mag responder.

A bientôt.

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: