segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Diário ─ capítulo 02

Este é meu segundo dia escrevendo um diário. Espero ter algo mais para falar contigo hoje. Hoje o dia foi diferente de ontem. Hoje acordei como eu acordo quase todos os dias: meio cansado e pensativo depois de um sonho um tanto ... como eu posso dizer? ... interativo. Meu objetivo aqui não é passar o que eu sonho, mas passar o que sinto durante este período.
Eu lembro da pessoa todos os dias. Hoje eu vi na minha sala. Com a mesma beleza de sempre e, como sempre se importando comigo como se importa com qualquer pessoa ao redor del... Mas sei que sou algo na vida desta pessoa. Amar sem ser correspondido não é o meu caso. Eu nem sei se estou amando? Hoje cheguei na sala de aula um pouco tarde como de costume. El... já estava lá. Tá, eu vou esquecer por agora.

Esquece tudo o que eu falei el... não existe, é apenas efeito dos meus sonhos de voar por aí como Ícaro das mitologias gregas. E eu estou apenas admirando um sonho que não persistirá.
Recomeçando.

Querido diário. Não. Amigo diário,
Você atualmente é a pessoa que melhor me entende. No dia anterior escrevi em você dizendo que amava alguém. Hoje acordei não pensando nesta pessoa. Me senti leve e então aproveitei para descansar mais um pouco. Como hoje é segunda feira fui para a faculdade. Cheguei tarde na primeira aula como de costume. O professor explicou coisas como o por que de determinados termos damatemática serem descritos com determinados símbolos. Esta aula foi de CeT 2. Depois fui para uma aula de computação aplicada. No meio do caminho encontrei alguns conhecidos. Saí distribuindo abraços e então fui para a sala. O professor explicu o trajeto da aula e depois fomos todos embora. Almocei no restaurante da Universidade a R$2.50, por que sou estudante. E depois fui para minha última aula do dia.
Adorei dizer como foi o meu dia. Só falta ir buscar um livro de cálculo com geometria para começar a me atolar nos estudos de verdade. Quero um emprego. E quero ser feliz fazendo algo que gosto. Mas o que gosto mesmo é de armas e treinamento militar. Isso é segredo, afinal não serei treinado para guerra tão cedo. E nem tão tarde. E nunca haverá outra guerra. E com isso se vai minha chance de entrar para a milícia brasileira e ser militar.
Tenho só 20 anos. Tenho talvez mais quatro anos de tentativa, que talvez não servirão de nada. E depois? Serei apenas mais um que quiz e não conseguiu.
Mas esperança é a primeira assassina. Morre todo mundo e ela persiste.

Encontrei um grande ex-colega. Conversamos coisas idiotas e rimos. O ônibus não passaria mais e ele foi pro ponto dele pegar um outro que servisse para chegar ao mesmo caminho e eu fui da Ondina à Federação pegar um Nazaré que me deixou no TCA ─ Teatro Castro Alves. Daqui eu não digo para onde fui. Senão o meu lungar onde me esconde não seria mais um esconderijo secreto.
Hoje o dia começou tranquilo e sem nuvens e terminou chuvendo fraco. Salvador, Bahia.

Até uma próxima vez. Adoro conversar com você.

Dia 23/08/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: