segunda-feira, 11 de abril de 2011

Sangue de cristo, morte noir

Senhor Ramos, começo este post de hoje como eu queria ter começado ontem, mas não fiz.
Sangue de cristo se refere à passagem bíblica em que os soldados derramam o sangue do cristo (que em outra língua significa messias) para ter certeza se ele está morto ou não. Morte noir, eu escolhi por ter un peu du français (um pouco de francês). Noir (se fala Nuar) significa negro. Morte noir, como em sua pronúncia (morte no ar), foi escolhida para falar um pouco de morte e renovação.

Sim, senhor Ramos. Tenho muitas novidades. Resolvi ter um objetivo em mente como aquele livro me disse para ter. Meu objetivo é: ser amado e desejado. Ainda não sei, mas quando souber por onde começar eu te digo.

Sabe, senhor Ramos, eu descobri o que falta na minha vida. Não, vai continuar faltando. Não depende só de mim. Mas se dependesse...

Eu sei, mas não posso fazer nada. Embora queira.

Senhor Ramos! Eu quero continuar, posso? Obrigado.
Deveria ter corrido atrás antes, agora não quero mais. Eu vou terminar os estudos e fazer como eu tinha previsto. No final deste curso vou tentar a milícia brasileira pela última vez ou então é "Au revoir". Se um dia eu voltar a ser necessário ao país... O senhor tem razão, se um dia eu tiver alguma importância para este paizinho de merda que é o Brasil, eu vou cobrar muito caro.

Pensa bem bem, senhor Ramos:
  • Quem financiou meus estudos da alfabetização à faculdade?
  • Quem me deu emprego sem eu ter que correr atrás?
  • Quem me deu tudo o que eu precisei desde pequeno?
  • Quem fez para mim os meus trabalhos e exercícios de toda a minha vida?
  • Quem?
Justamente. Não, a primeira resposta seria o povo brasileiro com seus impostos. Mas desconsidero, por que fui obrigado à estudar quando deveria ser facultado à criança a escolha dos estudos. Assim como o serviço militar obrigatório.

A segunda resposta? É inexistente. A terceira? Ninguém. Eu queria ser rico e até hoje tenho problemas financeiros. Tá bom, senhor Ramos. Eu não tenho problemas financeiros, mas continuo sem ter um centavo sequer no bolso. E continuo sem experiência na carteira de trabalho. E sem conta no banco. Isto não é problema pra mim. Senhor Ramos, sem brincadeira.

A quarta? Se eu não fizer quem se fode sou eu. Só resta a última resposta. Que não tem resposta.
Adoraria poder dizer dizer que sou mais sortudo no mundo, ao menos uma única vez na minha vida.

Agora violência:
"Crianças felizes morrem em por causa de uma pessoa ainda mais feliz que desejava matar pessoas no Rio de Janeiro."

Elas estão mais felizes que eu. E mais felizes que qualquer outro brasileiro. Elas não vão ter que pagar imposto, pedágio, escola, mercado... Não vão precisar de emprego e muitas outras coisas.

Não senhor. Senhor Ramos, eu não sou frio, eu sou sensato. Sabe quantas pessoas tem que morrer para que meia dúzia de crianças consigam viver em paz?

Deixo esta pergunta para o senhor me responder no próximo post. A bientôt.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Selecione outra página.
=>

Viaje pelas tags do blog: